Dados de hospitalizações revelam que pacientes negros com demência têm quase duas vezes mais risco de morte

Estudo realizado por pesquisadores das universidades federais de Pelotas (UFPel) e do Rio Grande do Sul (UFRGS), em parceria com a University of Queensland, Austrália, revela uma enorme disparidade étnico-racial nas hospitalizações e mortalidade de pacientes com demência no Brasil. Em 2020, pacientes negros com essa condição tiveram quase duas vezes mais risco de morrer em comparação aos pacientes brancos.

Publicada na quarta (6) na revista “Cadernos de Saúde Pública”, a pesquisa comparou dados de internações de pacientes com demência de 2019 e 2020 do Sistema de Informações Hospitalares do SUS, que abrange todo o Brasil. O número total de hospitalizações, o valor médio reembolsado por admissão hospitalar e a taxa de mortalidade dos pacientes internados foram analisados, tendo como base a questão racial e a região.

Entre os resultados está a existência de uma redução de 19,5% no número de internações de pacientes com demência em 2020, queda que chega a 42% entre os pardos e 39% entre os pretos. “O aumento súbito de casos e óbitos por Covid-19 entre a população idosa, mais afetada pela demência, pode explicar essa redução na taxa das internações por demência”, explica Natan Feter, um dos co-autores do estudo.

Os dados revelam, no entanto, um recorte racial nas taxas de mortalidade dos pacientes com demência. Entre os pacientes negros, essa taxa teve um aumento de 65% de 2019 a 2020, enquanto diminuiu em 9% entre os pacientes brancos*. “Isso pode estar também associado à falta de acesso ao SUS, a maior prevalência de fatores de risco de doenças cardiovasculares entre essas populações, além de outros fatores sociais e culturais”, comenta Feter.

O Brasil é o segundo país em prevalência de casos de pacientes com demência, como o Alzheimer, reflexo do pouco investimento em políticas de conscientização sobre a gravidade desses quadros, segundo avaliação do pesquisador. “Para efeito de comparação, as hospitalizações por qualquer tipo de demência aumentaram 88% de 2010 a 2019, enquanto doenças crônicas de alta prevalência, como cardiopatia isquêmica e doenças cerebrovasculares, tiveram um menor aumento na admissão hospitalar, de 29,3% e 35,3%, respectivamente”, ilustra Feter.

Ele finaliza reforçando que ações e políticas governamentais são urgentes para aumentar o acesso da população negra ao SUS e, assim, diminuir o efeito indireto da pandemia e da desigualdade social sobre a população.

 

**[Texto corrigido às 16h50, 6/10/2021]

Publicado por

Agência Bori

A Bori conecta o conhecimento produzido por cientistas brasileiros à imprensa de todo o país, disponibilizando estudos inéditos acompanhados de textos explicativos e do contato de um porta-voz do trabalho a jornalistas cadastrados Ver todos os posts de Agência Bori