Para cada contaminado por Covid-19 no RS, estima-se 12 casos não notificados

Para cada 1 milhão de habitantes no Rio Grande do Sul, estima-se que existam entre 500 e 2.900 casos reais de Covid-19 e apenas 108 casos notificados. As informações são do segundo relatório do projeto EPICOVID19, uma pesquisa sobre a proporção da população com anticorpos para o novo coronavírus coordenada pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), com a participação de outras universidades do estado, do Governo do Estado do Rio Grande do Sul e com financiamento do Instituto Serrapilheira, Unimed Porto Alegre e Instituto Cultural Floresta

Isso significa que, de acordo com o novo levantamento, para cada caso de Covid-19 notificado no RS, estima-se que existam entre 5 e 26 casos não notificados. Ou seja: mesmo no cenário mais conservador, cada caso notificado representaria cinco subnotificações. “A pesquisa foi desenhada para enxergar o iceberg como um todo, muito além da sua parte visível”, diz o epidemiologista Pedro Hallal, coordenador do projeto e reitor da UFPel.

Os pesquisadores realizaram 4.500 testes na população do RS, dos quais seis (0,13%) tiveram resultado positivo (considerando que a margem de erro da prevalência varia de 0,05% a 0,29%).  Mesmo que o número de casos positivos seja muito baixo, ele sugere que o número de pessoas com anticorpos pode variar de 5.650 a 32.770 no estado no Estado e que a taxa de letalidade está entre 0.14 e 0.8% (baseado no número de óbitos declarados no RS). 

Transmissão em casa

A nova etapa da pesquisa confirma também a alta transmissibilidade do vírus no ambiente doméstico. Apenas uma das seis pessoas testadas positivo para Covid-19 morava sozinha. Nas outras cinco, foi identificada a presença de anticorpos para o novo coronavírus nos demais membros da família. No total, foram testados 12 familiares dos quais 75% tiveram resultado positivo.

Importante destacar que o teste utilizado (WONDFO SARS-CoV-2 Antibody Test) avalia anticorpos produzidos pelo organismo após a infecção de cerca de duas semanas antes da coleta — e não identifica o vírus ativo logo após o contágio. Este teste foi recentemente avaliado como uns dos melhores no mercado atual.

Considerando a margem de erro, os resultados são similares aos apresentados na primeira fase do projeto, divulgada em 15 de abril, que apontou sete subnotificações para cada caso confirmado de Covid-19 no RS. O próximo resultado — da terceira fase — deve ser divulgado em cerca de 15 dias. 

Os dados obtidos no atual estágio da pandemia são similares aos coletados em outros países como Áustria e Islândia. Eles se referem exclusivamente ao estado do Rio Grande do Sul, mas o EPICOVID19 também será replicado no Brasil inteiro. A previsão é de, a partir de 5 de maio, coletar amostras em 133 cidades em todos os estados. Em cada fase, serão realizados mais de 33 mil testes, totalizando quase 100 mil ao final das três fases previstas.

Os coordenadores do trabalho fizeram uma coletiva de imprensa ao vivo pelo Facebook do Governo do Rio Grande do Sul.

Publicado por

Agência Bori

A Bori conecta o conhecimento produzido por cientistas brasileiros à imprensa de todo o país, disponibilizando estudos inéditos acompanhados de textos explicativos e do contato de um porta-voz do trabalho a jornalistas cadastrados

Sair da versão mobile