20 de junho de 2021 Salvar link Foto: Leto Saraiva Rocha / Banco de imagens Embrapa
Alimentos
Flor do pequizeiro na Floresta nacional do Araripe, Ceará

Highlights

  • Livro inédito analisa biodiversidade das plantas locais brasileiras e seu papel em dietas sustentáveis e saudáveis
  • Ele traz a composição de plantas comestíveis do Cerrado, Caatinga, Pampa, Amazônia e Pantanal
  • Biodiversidade ainda não faz parte do cardápio das escolas do norte, nordeste e centro-oeste

O Brasil é um país megadiverso conhecido por sua biodiversidade e cultura, no entanto, ainda é surpreendente o pouco conhecimento que se tem sobre a biodiversidade nacional a respeito de plantas locais alimentícias como taioba, cumaru, pequi, bacuri, pitomba, jenipapo, entre tantas outras. O livro “Local Food Plants of Brazil” (‘Plantas alimentícias locais do Brasil’, em tradução livre) busca justamente ajudar a cobrir essa lacuna de informações, trazendo novos dados sobre a composição nutricional dessas plantas, práticas culinárias e a relação entre humanos e plantas locais comestíveis, além de mostrar seu papel na diversificação da dieta do brasileiro.

A obra, publicada pela editora Springer e lançada no domingo (20), é organizada pelos professores Michelle Jacob, do departamento de Nutrição da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, e Ulysses Paulino, do departamento de Botânica da Universidade Federal de Pernambuco. Em 21 capítulos, pesquisadores brasileiros e estrangeiros de países como França, Espanha e Alemanha oferecem uma visão ampla sobre as plantas alimentícias brasileiras disponíveis nos biomas do Cerrado, Caatinga, Pampa, Amazônia e Pantanal.

“Há um crescente interesse acadêmico em plantas alimentícias locais, assunto que se encontra nas fronteiras do conhecimento de várias áreas, tais como ciências ambientais, nutrição, saúde pública e humanidades”, comenta Jacob. “Até hoje, no entanto, não tínhamos um livro trazendo perspectivas multidisciplinares para este campo complexo.”

Um dos resultados principais é a compreensão de que a diversidade de plantas alimentícias locais é central na promoção de dietas sustentáveis e, portanto, da saúde planetária. “Plantas alimentícias locais estão no centro de dietas sustentáveis porque têm o potencial de tornar as dietas mais diversificadas e, logo, mais nutritivas. Além disso, o redirecionamento do nosso sistema produtivo visando abarcar as plantas locais pode fortalecer a resiliência dos sistemas alimentares frente às mudanças climáticas, contaminação química por agrotóxicos e emergência de surtos zoonóticos, como é o caso da Covid-19”, diz Jacob.

Biodiversidade no prato dos brasileiros

A dieta brasileira tem se tornado mais homogênea nos últimos anos, com baixa diversidade de plantas e consumo de ultraprocessados. Essa tendência de perda de espaço de vegetais locais é mundial, sendo que atualmente 60% das calorias consumidas pela humanidade provêm de três grãos – milho, arroz e trigo. Em alguns lugares do Brasil, os alimentos nativos chegam a ser estigmatizados, comentam os pesquisadores.

Alguns capítulos do livro também abordam como o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e o Plano Nacional de Promoção das Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade (PNPSB) e outras políticas públicas podem ser portas de entrada para a valorização das plantas alimentícias locais brasileiras.

No caso da alimentação escolar brasileira, por exemplo, foi analisada a inclusão de alimentos biodiversos no cardápio dos estudantes em 221 cidades brasileiras e descobriu-se uma desigualdade regional significativa em relação à presença de alimentos orgânicos e regionais. Enquanto na região Sul, 21,57% das cidades compraram alimentos orgânicos, nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste nenhuma cidade comprou tais alimentos. Além disso, todas as cidades da região Sul compraram alimentos regionais.

A obra também apresenta vários métodos de aprendizagem e ensino sobre plantas locais brasileiras através de oficinas, redes sociais, uso de inteligência artificial, entre outros, já que um maior conhecimento sobre a biodiversidade é um elemento fundamental para valorizar a cultura alimentar brasileira, proteger o meio ambiente e garantir segurança alimentar e nutricional para a população.

Segundo Jacob, os autores da obra seguem engajados em suas pesquisas, em suas diferentes áreas de conhecimento, ampliando a nossa compreensão sobre problemas e soluções relacionados ao sistema alimentar por meio de diferentes lentes focais.” A editora ainda diz que espera “que este livro inspire mais pessoas a se envolverem na tarefa de promover dietas mais sustentáveis para o ser humano e todas as outras formas de vida.”

#Para ter acesso ao livro, os jornalistas interessados podem entrar em contato com a Springer (contato na ficha técnica)

Termos de uso

Todos os releases sobre as pesquisas nacionais já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que a fonte Agência Bori seja mencionada.

Veja como citar a BORI quando for publicar este artigo:

Fonte: Agência Bori

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 20/6/2021, 23:00