10 de fevereiro de 2020 Salvar link Foto: Marcos Santos/ USP / Fotos Públicas
Alimentos
Grão possui consideráveis quantidades de fibra e micronutrientes, que atuam como antioxidantes e anti-inflamatórios no corpo.

Highlights

  • Pesquisa encontra relação entre alimentação e depressão em brasileiros
  • Hábitos alimentares de 46.785 brasileiros adultos foram avaliados
  • Depressão atinge 7,9% da população brasileira

Muita gente já sabe que a comida nos conecta a memória e emoções. A novidade agora é que ela pode também afastar a tristeza, principalmente se houver um consumo maior de feijão. É o que aponta estudo feito por brasileiros das Universidades Federais de Uberlândia (UFU), do Rio de Janeiro (UFRJ) e de São Paulo (USP).

Os dados publicados na edição de dezembro de 2019 da revista “Cadernos de Saúde Pública” sugerem que quem inclui o feijão na sua rotina alimentar pode ter menor ocorrência de depressão, e aqueles que consomem bebidas adocicadas e substituem refeições por lanches rápidos mais de cinco vezes na mesma semana têm maior probabilidade de adoecer. O consumo de feijão no Brasil é parte da dieta nacional e está associado a uma ingestão menor de alimentos processados. O grão possui consideráveis quantidades de fibra e micronutrientes, como ferro, potássio e magnésio, que atuam como antioxidantes e anti-inflamatórios no corpo, produzindo uma espécie de proteção neural do eixo hipotálamo-hipófise-adrenocortical, responsável pelo mecanismo da depressão.

Interessados na associação entre consumo alimentar e depressão, os pesquisadores analisaram dados da Pesquisa Nacional de Saúde de 2013, que se baseia na Pesquisa por Domicílios Brasileiros do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os hábitos alimentares de 46.785 brasileiros adultos com idades entre 20 e 59 anos foram avaliados por meio da aplicação de um Questionário de Frequência Alimentar. As informações de consumo regular de alimentos saudáveis, como feijão, frutas e vegetais, sucos naturais e de alimentos não-saudáveis, como bebidas adocicadas, doces e lanches foram cruzadas com resultados do Questionário de Saúde do Paciente, que avalia a existência de sintomas depressivos nos adultos, como fadiga, insônia, falta de interesse em realizar atividades e humor deprimido. Foi criada uma pontuação referente à alimentação saudável de acordo com o tipo de alimento e a frequência de consumo.

Interação entre comida e depressão

O impacto da pesquisa está em mostrar que existe uma relação entre os hábitos alimentares e a depressão, doença que atinge 7,9% da população brasileira, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde de 2013. A observação de que o consumo de feijão pode ser um elemento protetor é nova na literatura, segundo relata a pesquisadora Kamilla Tavares. “A mensagem que podemos transmitir à população é que dietas baseadas em alimentos do padrão alimentar mais tradicional do Brasil, com arroz e feijão, frutas e hortaliças parecem reduzir o risco de depressão”, comenta a pesquisadora. Os padrões alimentares mencionados pelo estudo podem ser usados por profissionais de saúde para orientar as pessoas na adoção de hábitos alimentares mais saudáveis.

Essa é a primeira pesquisa que investiga a interação entre alimentação e depressão no Brasil. Um dos ganhos do estudo, segundo os pesquisadores, é o foco em alimentos e não em nutrientes. Eles ainda precisam entender como funciona a associação direta entre depressão e hábitos de consumo, interação que parece ser bastante complexa. Para isso, é preciso formular estudos que acompanhem, ao longo do tempo, a alimentação de pessoas sem depressão. Com relação ao feijão, Kamilla afirma que futuros estudos precisam identificar se seu efeito de proteção é ou se o alimento é apenas um marcador de uma dieta mais saudável.

Termos de uso

Todos os releases sobre as pesquisas nacionais já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que a fonte Agência Bori seja mencionada.

Veja como citar a BORI quando for publicar este artigo:

Fonte: Agência Bori

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 10/2/2020, 20:48 – Atualizado em 21/2/2021, 13:42