13 de julho de 2022 Salvar link
Ambienteaçaí
Fábio Sian Martins / Embrapa Amapá

Highlights

  • 53% dos estabelecimentos de produção de açaí nos municípios de Macapá e Santana fazem o descarte de forma inadequada
  • A pesquisa foi realizada nos municípios de Santana e Macapá, onde o descarte inadequado pode afetar a qualidade das águas
  • Os pesquisadores recomendam que as instituições públicas apoiem e passem orientações técnicas e ambientais para os batedores de açaí quanto ao descarte

O açaí é um dos alimentos mais consumidos pelos brasileiros. A região Norte do país é responsável por grande parte da produção e consumo do fruto e, por isso, o descarte incorreto dos caroços pode ocasionar vários problemas ambientais, como alteração na qualidade das águas. Uma nova pesquisa publicada no dia (13), no periódico Ambiente & Sociedade, revela que 53% das batedeiras de açaí em Macapá e Santana, no Amapá, adotam métodos inadequados de descarte e destino final dos caroços. O artigo foi elaborado por pesquisadores do Instituto Federal do Amapá (IFAP), Universidade Federal do Amapá (Unifap) e Embrapa Amapá.

O artigo é um dos resultados do mestrado de Lidiane de Vilhena Amanajás Miranda. A engenheira ambiental aplicou questionários a 212 proprietários, em 2017, de batedeiras de açaí (151 em Macapá e 61 em Santana) sobre como os caroços de açaí são descartados. A professora da Unifap Helenilza Cunha, também autora do artigo, explica como o processo geralmente ocorre: “o empresário, ou quem prepara o açaí, bate os caroços para extrair a polpa. Os caroços – que agora são considerados resíduos dessa extração – são colocados em recipientes e descartados geralmente na frente da propriedade. Uma outra análise feita pelos pesquisadores é quanto ao destino final. Alguns batedores pagam pelo recolhimento dos materiais e outros deixam em frente ao estabelecimento para ser recolhido por pessoas que jogam esses resíduos em lugares inadequados, como cursos d’água”.

Os danos ao meio ambiente são inúmeros. A pesquisadora explica que Macapá e Santana têm muitas áreas de ressacas – áreas úmidas e sujeitas a alagamentos. Por isso, muitas pessoas construíram suas moradias nessas áreas úmidas (palafitas), e os caroços de açaí, às vezes, são utilizados para aterrar essas áreas. O material apodrece, gera matéria orgânica em decomposição e representa um perigo  para a qualidade da água pela diminuição do oxigênio – o que pode ocasionar até a morte de peixes, por anoxia, por exemplo. Conforme informam os autores no artigo, “há uma tendência do problema se agravar no futuro, com o insuficiente avanço técnico na gestão desses resíduos sólidos”.

Além do sabor aprazível, os frutos do açaí possuem ricos valores nutricionais. O caroço constitui cerca de 83% do peso do fruto e se trata de um material orgânico rico em carbono. Além das propriedades naturais, a produção tem bastante relevância econômica e social: dados oficiais estimam que o Pará e o Amapá produzem cerca de 60 toneladas por ano. Para muitas famílias, essa é a única fonte de renda.

E o que pode ser feito com os resíduos da produção de açaí? Felizmente, há diversas aplicações que poderiam diminuir os danos ambientais do destino incorreto. Consultando a literatura científica, os pesquisadores encontraram que os caroços de açaí são utilizados na produção de artesanato, adubação orgânica, farelo para alimentação de animais, fertilizantes e até mesmo em pesquisas farmacológicas e na prevenção de doenças. “É uma pena quando passo pelas ruas e vejo que há grandes quantidades de resíduo próximo aos estabelecimentos que produzem açaí. Penso: se houvesse investimento e orientação, esses caroços poderiam gerar renda para os batedores e para outras pessoas, e isso reduziria os impactos ambientais”, conclui Cunha.

DOI: https://www.scielo.br/j/asoc/a/xLtkfCv9jZpzvYzhBwsMwDv/?lang=pt

Termos de uso

Todos os releases sobre as pesquisas nacionais já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que a fonte Agência Bori seja mencionada.

Veja como citar a BORI quando for publicar este artigo:

Fonte: Agência Bori

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 13/7/2022, 23:45 – Atualizado em 14/7/2022, 10:30