6 de dezembro de 2021 Salvar link Foto: João Medeiros / Flickr
Ambiente

Highlights

  • Árvore arbustiva comumente usada como lenha tem qualidade para a construção de móveis de pequenas dimensões e produtos de maior valor agregado, como pisos de madeira
  • As cores da jurema-preta agregam valor estético às tábuas
  • Descoberta gera mais possibilidades de renda para comunidades rurais pobres da região Nordeste, que subaproveitam a madeira

Com a proposta de explorar de forma sustentável a Mimosa tenuiflora, conhecida como jurema-preta, árvore arbustiva comumente utilizada como lenha pelos sertanejos, pesquisadores do Departamento de Ciências Agrárias e Florestais da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA) identificaram que a planta apresenta aptidão para a exploração em itens de maior valor agregado, como pisos de madeira. A descoberta, publicada na segunda (6) na “Revista do Instituto Florestal”, amplia a possibilidade de geração de renda para comunidades rurais pobres e diversifica a produção econômica do Nordeste.

Espécie arbórea que possui madeira pesada e de alta durabilidade natural, a Jurema-preta tem qualidade para a construção de móveis de pequenas dimensões, assim como para a produção de estacas e cercas. Ampliando o seu uso sustentável e potencial de gerar alto valor agregado, os autores apontam que ela pode ter uso no mercado de pisos de madeira por apresentar uma variação de cor marrom a um amarelo claro acinzentado, o que contribui para a beleza estética das tábuas.

Na investigação para determinar a utilidade e durabilidade de determinada madeira como produto de alto valor agregado, é necessário que ela seja estável e pesada, com menos possibilidade de defeitos de secagem, como o “fendilhamento” (abertura de pequenas fendas ou rachas na superfície) e o “empenamento” (expansão e contração das tábuas, que causa desnivelamento do piso). Neste sentido, os pesquisadores da UFERSA testara três exemplares de Jurema- preta com idade média de vinte anos. Os troncos foram seccionados em discos para as diferentes alturas da árvore: 0% (base), 25%, 50%, 75% e 100% (topo) referente à altura comercial.

Foram confeccionadas amostras com dimensões de 2x2x3 centímetros (sentido radial, tangencial e longitudinal) para cada altura investigada. Essas foram submersas em água, até que atingissem volume constante após duas medições seguidas. Após imersão em água, as amostras foram mantidas em uma estufa, a 105°, até atingirem massa constante. Com base neste método, foi possível constatar uma madeira de alta densidade e boa estabilidade dimensional, com menos propensão a empenamentos, rachaduras e defeitos, qualidade suficiente para o uso em pisos.

“Estudar e comprovar que a Jurema-preta possui propriedades que são compatíveis com o mercado nos faz acreditar que temos potencial para investir no nosso bioma e darmos a valorização que ele merece, além de podermos ampliar a visão do mercado moveleiro para nossas espécies e para nossa região, melhorando a economia local e gerando fonte de renda”, afirma Sara Nogueira, coautora do estudo. As principais atividades da economia do Nordeste são agricultura, pecuária, indústria e turismo.

Termos de uso

Todos os releases sobre as pesquisas nacionais já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que a fonte Agência Bori seja mencionada.

Veja como citar a BORI quando for publicar este artigo:

Fonte: Agência Bori

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 6/12/2021, 23:00