18 de agosto de 2021 Foto: Roberto Parizotti

Por Rosângela Hilário, Maria Ribeiro e Valdenia Menegon

A pobreza, no Brasil, tem um recorte de território e de raça, atingindo predominantemente mulheres negras e periféricas. Foram elas as que mais sofreram as consequências da pandemia de Covid-19, como a falta de emprego, de alimento e de condições mínimas para protegerem suas famílias do novo coronavírus. Foram elas também que conseguiram criar formas de sobrevivência à nova realidade, a partir de redes solidárias.

A pandemia da Covid-19 escancarou a desigualdade social existente no país e as distâncias existentes entre dois Brasis: o Brasil privilegiado e o Brasil invisível. De um lado, temos um Brasil alimentado, cuidado e protegido por leis e normas, que há décadas mantém privilégios como direitos para nacos da população. A elite brasileira que pertence a esse Brasil goza de vivências plenas, porque universais, e têm seus direitos garantidos, porque nasceram brancas.

Do outro lado, temos o Brasil invisível, da falta de acesso aos mínimos direitos possíveis – lugar das mulheres negras e periféricas. O número de pessoas infectadas pelo coronavírus em favelas e subúrbios não contemplados por políticas públicas —assim como territórios quilombolas, indígenas e aqueles onde se encontram pessoas em situação de rua —, só não foi maior em função do extraordinário protagonismo de mulheres negras e mulheres não brancas, pobres e periféricas. Municiadas de solidariedade e compromisso social, elas se reuniram a entidades como a Central Única das Favelas (CUFA) e a Coalização Negra por DIREITOS, entre outras, para impedir que o saldo letal fosse ainda maior entre vulneráveis.

As experiências de mulheres negro-brasileiras de territórios periféricos guardam importantes semelhanças com as experiências de mulheres africanas cujos relatos nos alcançam. As lições do matriarcado africano acenam para o fortalecimento de todas as pessoas vinculadas àquele determinado grupo, inclusive, reforçando a importância da escuta — ilustrada pela relação também iniciática entre pessoa jovem e pessoa anciã — como recurso para transmissão de saberes ancestrais.

É de se perguntar que espécies de saídas para conflitos instalados se podem encontrar nas narrativas das mulheres negro-brasileiras, há cinco séculos convocadas a cuidar dos seus mais novos, das suas mais velhas, da sua comunidade e de si mesmas. A partir de dimensões educativas e formativas, é possível começar a desenhar estratégias de enfrentamento às situações adversas que a nova realidade impõe.

As estratégias de enfrentamento incluem inserir temas tornados “de recorte étnico-racial” na agenda de debates públicos e, também, reconhecer práticas de sobrevivência implementadas por mulheres negras em seus territórios. São estratégias fundamentadas no cooperativismo, na solidariedade e na proteção da família comunidade.

As mulheres negro-brasileiras exercem protagonismo entre os seus e as suas não porque o perseguiram, mas por sobrevivência. Para elas – as que mais trabalham, menos dormem e mais cuidam das pessoas que esbarram – a resistência não é apenas uma escolha política; é uma estratégia de sobrevivência.

 

Sobre as autoras

Rosângela Aparecida Hilário é pesquisadora da Universidade Federal de Rondônia, Líder do Grupo de Pesquisa Ativista Audre Lorde e faz parte da Rede Brasileira de Mulheres Cientistas

Maria Ribeiro é pesquisadora da Universidade São Paulo/USP e faz parte da Rede Brasileira de Mulheres Cientistas

Valdenia Menegon é pesquisadora do Instituto Valdenia Menegon e faz parte da Rede Brasileira de Mulheres Cientistas

Termos de uso

Todos os artigos de opinião já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que os nomes e instituições dos autores sejam mencionados.

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 18/8/2021, 23:00