3 de novembro de 2021 Foto: NASA / Unsplash

Por Mercedes Bustamante

O acordo sobre florestas, o primeiro compromisso assinado pela COP26, é um passo significativo na direção da mitigação e adaptação às mudanças climáticas. Envolvendo mais de 100 países e 85% das florestas do mundo, a declaração reconhece a urgência de deter a perda e a degradação dos ecossistemas naturais e os incêndios que representam riscos crescentes para a conservação da natureza. Um componente crítico é apoiar os povos indígenas e comunidades locais em seus esforços de conservação e restauração, respeitando seus direitos a seus territórios.
As promessas incluem fundos públicos e privados, e as empresas e indústrias também estão comprometidas em eliminar o desmatamento de suas cadeias de suprimentos e processos de produção.
Os acordos para deter o desmatamento não foram muito bem-sucedidos no passado recente, mas mais países e fundos estão comprometidos desta vez. A rápida e eficaz implementação deste acordo é uma parte essencial das soluções para a emergência climática, ao mesmo tempo em que melhora os meios de subsistência, o bem-estar humano e a capacidade de resiliência aos impactos da mudança climática. Mais do que nunca, o compromisso e a responsabilidade dos signatários pode ser um ponto de inflexão para as crises climáticas e de biodiversidade.

Termos de uso

Todos os artigos de opinião já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que os nomes e instituições dos autores sejam mencionados.

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 3/11/2021, 9:14 – Atualizado em 3/11/2021, 9:15