27 de outubro de 2021 Foto: Gilberto Soares / Ministério do Meio Ambiente

Por Leonardo Capeleto de Andrade

A Amazônia é gigante, assim como as suas centenárias Samaúmas, como o seu extenso Rio Amazonas, como os seus imensos Pirarucus. E, em meio a esta gigantesca biodiversidade, habitam milhões de pessoas. E milhares destas ainda vivem com insegurança alimentar.

A Amazônia é, também, paradoxal. Em meio à maior biodiversidade do planeta, há fome; em meio à maior oferta de água doce do mundo, falta água potável. Quando se pensa em segurança alimentar, pode ser raro lembrar da água, mas ela tem suma importância: afeta, de diversas formas, tanto as plantações quanto a pesca, além da segurança dos alimentos durante o processamento.

Enquanto a estiagem dificulta a produção de alimentos do Sul ao Nordeste do Brasil, na Amazônia o maior desafio é o excesso de águas. As volumosas chuvas, que chegam a ultrapassar os 3 mil milímetros anuais, concentram-se especialmente no chamado “inverno amazônico”.

Essa dinâmica afeta principalmente a várzea amazônica, que sofre com os chamados pulsos de inundação: entre as estações de seca e cheia dos rios, as águas sobem mais de 10 metros em média todos os anos. Nas secas, os rios se afastam das casas; durante as cheias, ficam sob as moradias — às vezes, até adentram nas mesmas.

As casas ribeirinhas da várzea são adaptadas aos ciclos de seca e cheia, sendo tipicamente palafitas ou flutuantes de madeira. Porém, mesmo que acostumadas a estes eventos, muitas famílias ainda sofrem dificuldades durante parte do ano em função de outro paradoxo: na fartura de águas das cheias, diluem-se os peixes nos rios e lagos.

Junto à farinha de mandioca, os peixes são, historicamente, a base da alimentação ribeirinha. Na várzea, a mandioca (assim como outras culturas) é plantada nos roçados durante a vazante (descida das águas) dos rios e colhida na enchente (subida) — ou seja, nos poucos meses em que há solos não inundados.

A pesca, parte importante da economia local, também ocorre de forma mais intensiva durante a seca. Isso porque durante a cheia, os peixes podem migrar pelas águas, dificultando a atividade pesqueira e aumentando a insegurança alimentar de muitas famílias.

Além disso, a água de boa qualidade é necessária para o preparo dos pescados, mas é um bem escasso em uma região que não tem abastecimento público de água potável. Este mesmo desafio impacta a produção das polpas de frutas amazônicas, como o açaí, produto altamente valorizado no Brasil e no mundo.

Até os deslocamentos dependem das águas. Com áreas rurais separadas por distâncias amazônicas, a região tem os barcos como principais meios de transporte. Na região do Médio Solimões, por exemplo, existem comunidades ribeirinhas a mais de 200 km do centro urbano mais próximo. Em época de cheia, a distância pode até ser reduzida pela formação de atalhos — ainda assim, viagens podem durar longas horas, exigindo boas quantidades de combustível.

As distâncias, é claro, também impactam a segurança alimentar. Para o transporte de alimentos frescos, são necessárias grandes quantidades de gelo. É mais um desafio, considerando que, em muitos locais, a única fonte de energia são geradores a combustível.

As soluções para o desenvolvimento da região precisam levar em conta os paradoxos amazônicos. Uma boa saída são as Tecnologias Sociais, que contam com a participação das populações locais na resolução de problemas. Dessa forma, os projetos são adequados especificamente a cada localidade atendida. Para cada região, diferentes desafios. Para cada desafio, uma tecnologia.

 

Sobre o autor

 

Leonardo Capeleto de Andrade é engenheiro ambiental, doutor em Ciência do Solo e pesquisador no Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá na área de Tratamento de Água para comunidades ribeirinhas amazônicas.

Termos de uso

Todos os artigos de opinião já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que os nomes e instituições dos autores sejam mencionados.

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 27/10/2021, 23:00 – Atualizado em 29/10/2021, 11:11