14 de junho de 2021 Foto: Marcos Santos / Agência USP

Por Catia Grisa e Silvia Zimmermann

No primeiro trimestre de 2021, duas pesquisas sobre segurança alimentar e nutricional impactaram o Brasil. A primeira, da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança alimentar e Nutricional (Rede PENSSAN), mostrou que 55,2% da população brasileira vivenciava, em dezembro de 2020, insegurança alimentar, e 9% estava passando fome. Índices ainda mais altos foram apresentados pela segunda pesquisa, do Grupo de Pesquisa “Alimentos para Justiça: Poder, Política e Desigualdades Alimentares na Bioeconomia”, que mostrou que 59,4% da população brasileira estava em situação de insegurança alimentar no mesmo período, sendo que 15% passava fome.

Esses dados nos impactaram por sua gravidade, mas também por expressarem os retrocessos nas condições socioeconômicas e alimentares da população brasileira. Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2004, 2009 e 2013 vinham mostrando importante redução do percentual de domicílios em situação de insegurança alimentar e nutricional em todo o país. Na PNAD de 2013, o Brasil apresentou seu menor índice de insegurança alimentar grave (3,2%) e, em 2014, o país saiu do Mapa da Fome da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). No entanto, dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares de 2017 já sinalizavam retrocessos, com o incremento da insegurança alimentar e nutricional no país. Ainda que a pandemia da Covid-19 tenha contribuído para o aumento dos números apresentados acima, as crises econômica e política que afetam o país nos últimos anos, associadas ao desmantelamento das políticas públicas em diversos setores, colaboram para a tragédia da insegurança alimentar atual.

A magnitude dos dados das pesquisas se revela ainda mais grave quando observamos como diferentes grupos sociais são impactados pela insegurança alimentar e nutricional. Historicamente, as pesquisas de insegurança alimentar mostram que esta situação é mais acentuada nos domicílios chefiados por mulheres, de raça/cor da pele autodeclarada preta ou parda, e com baixa escolaridade. Na pesquisa realizada pela Rede PENSSAN, enquanto a insegurança alimentar estava presente em 47% dos domicílios cuja pessoa de referência era masculina, este percentual alcançou 64% naqueles chefiados por mulheres. Esses percentuais foram, respectivamente, 60% e 73,8% na pesquisa do Grupo de Alimentos para Justiça.

A vulnerabilidade à insegurança alimentar desses domicílios é o ápice das desigualdades de gênero presentes na sociedade brasileira, que se manifestam nos altos índices de desemprego; nas diferenças salariais; na responsabilização do cuidado com os filhos, familiares e portadores de necessidades especiais; nas diversas formas de violência contra mulheres; nas dificuldades de participação na vida pública e nos espaços políticos. E não são poucas as pesquisas que evidenciam os impactos da pandemia da Covid-19 na vida das mulheres, seja em termos de agravamento do desemprego e sobrecarga de trabalho doméstico e de cuidados com filhos e familiares, seja em termos de intensificação da violência física e psicológica.

Como o Estado brasileiro vem reagindo a este cenário de agravamento da insegurança alimentar e das suas repercussões na vida das mulheres e suas famílias? Por enquanto, infelizmente, prevalecem no contexto político e institucional negacionismos à pandemia, inação e desmantelamento das políticas de segurança alimentar e nutricional.

Sobre as autoras

Catia Grisa, pesquisadora na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, e membro da Rede Brasileira de Mulheres Cientistas (RBMC)

Silvia Zimmermann, pesquisadora na Universidade Federal da Integração Latino Americana, e membro da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede PENSSAN)

Termos de uso

Todos os artigos de opinião já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que os nomes e instituições dos autores sejam mencionados.

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 14/6/2021, 22:00