25 de outubro de 2021 Foto: Marcos Santos / USP Imagens

Por Nayla Almeida

Quando o assunto é abastecimento alimentar, enfrentamos, hoje, um cenário desafiador: alta no preço dos alimentos, um quase desaparecimento de políticas públicas alimentares (como o Programa de Aquisição de Alimentos), a ausência de estoques públicos reguladores de preço. Além disso, vimos, no início de 2019, a extinção do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, onde debates e conquistas históricas foram possíveis no campo da segurança alimentar e nutricional do Brasil.

Diante de tantas dificuldades, a pergunta que se coloca é: como garantir o abastecimento e o acesso a alimentos frescos e saudáveis para toda a população brasileira? É tempo de refletir sobre a capacidade do território nacional ser resiliente frente a desequilíbrios internos, como decisões políticas e econômicas equivocadas, e choques externos, como as pandemias.

Um ponto fundamental nessa questão são os tipos de mercados onde se compram alimentos. Um estudo deste ano, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), apontou para a diminuição na oferta de alimentos frescos em mercados alimentares locais — uma consequência da interrupção no transporte e fechamento de fronteiras. O principal achado da pesquisa é que os chamados mercados territoriais ou imersos são essenciais para garantir o abastecimento e o acesso a alimentos saudáveis em nível local.

Mas o que são mercados imersos? O conceito está relacionado a modelos mais voltados a  realidades locais, como feiras livres, mercados de produtores, grupos de consumidores, restaurantes e varejões. Uma de suas principais características é que sua forma de organização se baseia na ação coletiva: criam-se regras formais e informais a partir do lugar onde o mercado se estabelece e das pessoas que participam dele.

Essas iniciativas pensadas em um território específico são mobilizadoras. Unem diferentes atores e instituições locais, envolvendo produtores, comerciantes, organizações da sociedade civil e o poder público.

O resultado desse tipo de organização é visível, por exemplo, quando se vai à feira. É notável a oferta de produtos distintos, seja em termos de preço, reputação do produtor (e/ou do produto em si). Por vezes, o alimento vendido envolve um saber específico ou o uso de recursos disponíveis apenas em um determinado território — caso de uma fruta nativa ou de uma receita tradicional. Seus benefícios fazem com que eles sejam os verdadeiros supermercados.

O modelo difere dos mercados convencionais, hoje muito presentes em nosso cotidiano. Estes são como os sistemas alimentares globais: operam a partir de regras e padrões bem definidos, funcionando da mesma forma em qualquer lugar do planeta. Fazem com que seja possível encontrar os mesmos produtos em países de culturas alimentares diferentes, desconsiderando as diversidades.

É claro que os sistemas alimentares globais continuarão existindo. O fluxo de alimentos continuará inundando os supermercados com o mais do mesmo, com centenas de novos produtos aparentemente diversos. Mas, ao mesmo tempo e eventualmente num mesmo lugar, existem outros arranjos mercadológicos possíveis: os mercados imersos podem ser opções de abastecimento para além dos supermercados convencionais, enquanto estruturas centralizadoras do valor produzido por milhares de agricultores e agricultoras.

Para pensar e discutir alimentação, também é importante analisar qual o potencial do sistema alimentar local em promover o acesso a alimentos nutritivos, seguros e a preços acessíveis. Iniciativas que levam esses pontos em conta geram a resiliência alimentar de um território, com base nos valores e necessidades de quem vive nele.

 

Sobre a autora

Nayla Almeida é engenheira agrônoma pela Universidade de São Paulo (USP), mestranda no Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Em sua linha de pesquisa, investiga a construção social de mercados para agricultura familiar.

Termos de uso

Todos os artigos de opinião já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que os nomes e instituições dos autores sejam mencionados.

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 25/10/2021, 23:00