28 de maio de 2020 Foto: DINGZEYU LI / UNSPLASH

Por Ana Carolina Peuke

Este é um momento oportuno para o desenvolvimento de habilidades socioemocionais. Talvez, a questão crucial agora não seja somente quando será o pico, a duração e o efeito da crise pandêmica, mas sim o quanto aprenderemos com esse desafio e desenvolveremos competências emocionais. A Covid-19 impôs ao mundo a necessidade de adaptação e as pessoas tiveram que realizar mudanças nos seus estilos de vida. A crise propicia impacto no funcionamento emocional, especialmente pela percepção de falta de controle sobre os acontecimentos e diante de uma situação de incerteza, é natural surgirem respostas emocionais diferentes. Muda a relação das pessoas com o futuro e as escolhas intertemporais tornam-se mais difíceis diante do incerto.

As escolhas podem afetar outros fatos da vida. Isso implica na decisão de qual o momento para se antecipar um benefício que trará um custo futuro. Ou seja, o tempo inteiro as pessoas realizam trocas entre o presente e o futuro, avaliando o custo e o benefício, e essas decisões podem afetar o equilíbrio emocional. Frente à crise é importante que um senso de futuro e estabilidade seja mantido. Isso é um desafio, porque todos os dias parecem ser “novos”, as rotinas, as exigências e as relações estabelecidas com o futuro se modificam. Manter algumas rotinas saudáveis e buscar um olhar voltado para o presente é crucial. Ajuda a impedir que a mente divague e fique “perturbada” ao tentar “prever” os acontecimentos.

A prática de mindfulness

Um recurso útil para manter o foco presente, aplicado na psicologia, é a prática de mindfulness. Esse conceito significa atenção plena ou consciência e designa um estado mental caracterizado pela orientação da atenção para a experiência presente. É um conceito encontrado em tradições religiosas/filosóficas e culturais. Embora muitas pessoas o associem a algo místico, vinculado a uma crença religiosa especifica, trata-se de método secular e acessível. É uma habilidade que pode ser treinada e permite que as pessoas sejam menos reativas às emoções negativas.  O treinamento deste tipo de atenção, normalmente ocorre por meio das técnicas meditativas, favorecendo a tomada de consciência sobre as emoções.

Os estudos revelam que a prática de mindfulness traz benefícios para a saúde, pois provoca modificações fisiológicas que reduzem o estresse e protegem o organismo contra suas ações nocivas. Melhora o sistema imunológico, a autorregulação emocional e o desempenho cognitivo. Quando você acalma a mente, pode prestar atenção ao que realmente está acontecendo. Pensamentos, sentimentos, sensações físicas e ações podem ser alimentados e amplificados por “espirais” emocionais negativas. Abordar um aspecto desse ciclo, como por exemplo, reduzir ativamente os sintomas físicos (usando um exercício de mindfulness ou técnica de respiração diafragmática) pode diminuir o ciclo ansioso. Qualquer adaptação exige tempo. Se você compreender isso e, ter mais compaixão consigo, enfrentará os desafios da crise com eficácia. Há muita coisa impossível de controlar, mas a maneira de enfrentar isso pode ser uma oportunidade de gerenciar melhor suas emoções. Lembre-se, vai passar. E tudo o que você aprender nesse momento, vai lhe preparar para viver uma vida plena logo ali – um pouquinho mais adiante.

 

Referências:

Kabat-Zinn, J. (1994). Wherever you go, there you are: mindfulness meditation in everyday life.(1st ed.). New York: Hyperion.

Mais informações sobre mindfulness aqui.  

 

Sobre esse artigo

Ana Carolina Peuker é psicóloga (CRP 07/11084), com mestrado, doutorado e pós-doutorado em psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), onde também atuou como professora. Realizou pós-doutorado em psicologia da saúde na Unisinos. É CEO da Bee Touch, founder da AVAX Psi e membro do Grupo de Trabalho de Enfrentamento à Covid-19 da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP)

Termos de uso

Todos os artigos de opinião já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que os nomes e instituições dos autores sejam mencionados.

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 28/5/2020, 14:21 – Atualizado em 17/2/2021, 16:56