13 de junho de 2020 Foto: Markus Spiske / Unsplash

Por Marcos Fernandes Gonçalves da Silva

A reação do governo federal diante da pandemia da Covid-19 foi inadequada se olharmos para a comunicação e a coordenação das políticas públicas: demorou e foi ambígua. Farei aqui uma análise das ações do Executivo, do ponto de vista social e econômico, já que as duas coisas correm juntas.

Do ponto de vista social, quem atuou prontamente foi o Congresso, na aprovação da ajuda financeira para os mais pobres, em um valor que não os irrisórios R$ 200 propostos pela Fazenda. Mesmo assim, pouco se fez no sentido de aumentar, na prática, a capilaridade do sistema de proteção social.

Há uma recusa de se reconhecer que a Terra é esférica: são evidências disso algumas declarações simplistas, de certas autoridades da administração direta e indireta, dadas a magnitude da epidemia e de suas consequências, a necessidade de isolamento horizontal e de se ajudar os mais pobres, a economia e as empresas. Contudo, políticas começaram a ser implementadas, como a ajuda para os pequenos e médios negócios e para os de grande porte dos setores mais afetados, notadamente serviços. A Fazenda e o Banco Central mobilizaram-se para tais ações.

O problema central é que estamos em uma economia de guerra e as autoridades deveriam atuar para transformar rapidamente fábricas que fazem roupas e equipamentos em fábricas de utensílios médicos. Não o fazem a contento. Isso é uma metáfora, mas nem tanto, posto que em economias de guerra stricto sensu rapidamente se transformam linhas de produção de bens civis em linhas de bens militares, gerando renda e emprego.

O orçamento de guerra, tímido, foi aprovado. Os estados e municípios perdem receitas de impostos indiretos, na medida em que a economia para de girar. A ideia de um seguro tributário, defendida pelo economista José Roberto Afonso, foi, em parte, aplicada. Por outro lado, não se colocaram propostas como a redução temporária dos salários mais altos dos três poderes. Claro que a massa salarial mais relevante é a dos poderes executivos, mas há também algo de simbólico que poderia vir dos outros poderes.

Agora precisamos discutir as estratégias de continuidade de contenção da pandemia e de reconstrução da economia. O mundo está em recessão e o Brasil, estimativas apontam, caminha para a pior de sua história. O desafio é grande, pois o nível de confiança dos consumidores e das empresas cai sem parar. Quem irá a um shopping center, sairá comprando coisas, frequentará restaurantes e bares ou fará turismo diante da perda de renda, emprego e do medo de repique da epidemia?

Se as ações concentradas em infraestrutura e em algum tipo de investimento público não forem tomadas, corremos o risco de vivenciar uma crise prolongada. Se o governo não for capaz de apresentar um plano de recuperação do investimento e do consumo e, pior, se houver um crescimento ainda maior da epidemia em virtude da irresponsabilidade de algumas autoridades, cairemos no redemoinho da depressão. Falta-nos, contudo, liderança para superar essa situação: no presidencialismo, ela deveria vir do chefe de governo.

 

Sobre esse artigo

Marcos Fernandes Gonçalves da Silva é docente da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV EAESP). Essa análise está na revista “GV Executivo” de junho.

Termos de uso

Todos os artigos de opinião já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que os nomes e instituições dos autores sejam mencionados.

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 13/6/2020, 17:23 – Atualizado em 17/2/2021, 16:56