1 de setembro de 2020 Foto: Isaac Smith / Unsplash

Por Paulo Sandroni

Quando a maré sobe, todos os barcos a acompanham, mas quem não tem barco morre afogado. Alguns indícios de recuperação econômica mostram que o fundo do poço foi deixado para trás: o mês de junho foi melhor que o de maio e este superou os  indicadores registrados em abril. Em abril, o produto interno bruto (PIB) caiu 9,3% em relação a março, mas em maio cresceu 0,7% em comparação a abril. Mas a pandemia ainda corre solta e, embora alguns estados tenham alcançado platôs, não estamos a salvo de retrocessos: períodos de abertura podem se alternar com momentos de isolamento social.

Os estragos resultantes até agora foram intensos: o desemprego explodiu e a arrecadação dos três níveis de governo desabou, o que acentuou o déficit e, em consequência, a dívida pública. Alguns fatores mitigaram o rombo: a queda da taxa Selic a quase zero reduziu o custo de carregamento da dívida pública atrelada ao índice – o ritmo dessa queda foi maior do que o do crescimento da própria dívida. Outro fator que amenizou as consequências da crise foi a emissão de papel-moeda, especialmente para o pagamento das parcelas de R$ 600 do auxílio-emergencial. Entre fevereiro e junho de 2020, foram emitidos mais de R$ 80 bilhões, volume cerca de cinco vezes maior quando comparado ao dos 12 meses anteriores. O vácuo deflacionário provocado pela recessão permitiu esse ganho de senhoriagem (nota de R$ 100 custa 50 centavos para ser produzida) sem impacto significativo nos índices inflacionários. Além disso, a conversão de parte das reservas cambiais por dólar a quase R$ 6 também reforçou as finanças públicas e mitigou o déficit.

Taxar dividendos e grandes fortunas pode ajudar a aumentar as receitas no futuro, mas dificilmente compensará a perda causada pelo encolhimento do PIB somada à ampliação dos gastos decorrentes da pandemia. Estes últimos tenderão a aumentar em quase todos os serviços públicos, o que sinaliza despesas crescentes e pressão contínua nos respectivos orçamentos. Saúde e transporte público serão os mais afetados e demandarão subsídios adicionais que garantam o seu funcionamento.

A retomada sustentável do crescimento, sabemos, depende da volta dos investimentos. A agricultura vai bem, já que a produção de grãos bate recordes, mas, embora importante, esse êxito não é suficiente para retirar a economia do negativo. É indispensável que o mesmo vigor retorne à indústria e ao setor de serviços. O distanciamento social conspira especialmente contra este último e, mesmo que o trabalho a distância possa representar ganhos pontuais de produtividade, não há como assentar tijolos ou cortar cabelo dessa forma.

Outro empecilho é a imagem que o Brasil projeta. Grandes empresas, nacionais e estrangeiras, zelosas do valor intangível de suas marcas, rechaçam a associação com o fruto do cruzamento entre cloroquina e motosserra. O setor agroexportador, entre outros, pode ser afetado pelo descaso do governo com a defesa do meio ambiente.

O grande problema continuará sendo o desemprego, último aspecto em que se obtém melhoras com a volta do crescimento. Políticas públicas de amparo e ajuda às suas vítimas deveriam prosseguir pelo menos até o fim de 2020. Com a maré subindo, é fundamental manter essa massa de trabalhadores embarcada.

Sobre esse artigo

Paulo Sandroni é professor da Escola de Administração de Empresas de São Paulo, da Fundação Getulio Vargas (FGV EAESP). Esta análise está na revista “GV Executivo”, edição de agosto de 2020.

Termos de uso

Todos os artigos de opinião já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que os nomes e instituições dos autores sejam mencionados.

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 1/9/2020, 14:30