8 de março de 2021 Salvar link Foto: Stephen Walker / Unsplash
Ciência

Quem nunca se perguntou por que a Lua parece maior quando está na linha do horizonte, como a comida cozinha ao fogo ou por que as coisas caem? A curiosidade para compreender o mundo ao nosso redor faz parte da natureza humana desde a infância, mas costuma se perder com o tempo diante de respostas frustradas. Precisamos resgatar esse desejo pelo conhecimento — o que, de quebra, ainda pode nos ajudar a enfrentar o negacionismo científico.

Essas ideias estão compiladas em “A ilusão da Lua” (ed. Contexto, 160 pgs), primeiro livro do físico da Unicamp Marcelo Knobel, com lançamento durante o Simpósio de Divulgação Científica da Unicamp, que acontece dias 8 e 9 de março. A obra é uma compilação de textos escritos pelo pesquisador ao longo da vida, devidamente atualizados. “A pandemia me despertou uma necessidade grande de desengavetar os trabalhos, compilar esse material e torná-lo disponível”, diz.

Divulgador científico conhecido — ele ganhou o Prêmio José Reis de divulgação científica em 2019 e há quase um ano tem um canal no YouTube chamado Espaço Recíproco no qual dialoga com cientistas e celebridades –, Knobel trata, no livro, de questões do cotidiano para mostrar que a ciência está o tempo todo ao nosso redor. No preparo da carne grelhada, por exemplo: a casca fica crocante porque perde líquido, mas o interior amolece porque as moléculas de colágeno se deterioram. Ou no café, cujos grãos torrados perdem CO2 e outras moléculas voláteis com o tempo e, consequentemente, também perdem sabor. E por aí vai.

O pesquisador também trata, no livro, da lógica e das etapas do pensamento científico, e aborda as consequências no negacionismo da ciência — um dos maiores desafios no enfrentamento da Covid-19 hoje. No livro, Knobel, inclusive, lembra que o movimento antivacina, que ficou evidente agora com o novo coronavírus, é considerado pela OMS como um dos dez maiores desafios da saúde pública mundial.

Magnetismo e divulgação

De família de médicos, psicólogos e profissionais de saúde, Knobel decidiu se graduar em física depois de uma visita realizada na Unicamp durante o ensino médio. Hoje, academicamente, trabalha com magnetismo de materiais nanoestruturados — que tem uma escala cerca de dez mil vezes menor que um fio de cabelo.

Desde o início da carreira, sempre se preocupou com a divulgação científica para a sociedade e escreveu sobre o assunto. No final da década de 90, por exemplo, ele já comandava uma página na internet — programada por ele mesmo em html — chamada “Radar da Ciência”, na qual tratava de novidades da ciência mundial.

“A ilusão da Lua” é o primeiro livro do pesquisador e marca, também, neste mês de março, a conclusão da gestão de Knobel como reitor da Unicamp. Jornalistas interessados em receber “A ilusão da Lua” antecipadamente em pdf para reportagens podem solicitar para luciana@editoracontexto.com.br.

Termos de uso

Todos os releases sobre as pesquisas nacionais já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que a fonte Agência Bori seja mencionada.

Veja como citar a BORI quando for publicar este artigo:

Fonte: Agência Bori

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 8/3/2021, 22:00