11 de maio de 2022 Salvar link
Medicina e Saúde
Marcelo Seabra / Agência Pará

Highlights

  • Pesquisadores identificam o surgimento de doenças crônicas como hipertensão, obesidade e diabetes tipo II em grupos indígenas da região do Xingu
  • Crescimento dos casos pode ter relação com predisposições genéticas e com mudanças na dieta, como o maior consumo de alimentos ultraprocessados
  • Pesquisadores buscam contribuir na identificação de perfil genético das populações indígenas brasileiras para possibilitar medicina personalizada

As doenças crônicas, como a obesidade, diabetes tipo II e hipertensão, são multifatoriais e atingem boa parte da população brasileira. Estudo publicado na revista “Genetics and Molecular Biology” na quarta (11) identifica o surgimento dessas doenças crônicas também em grupos indígenas da região do Xingu e do polo de Marabá, sudoeste do Pará. Pesquisadores da Universidade Federal do Pará (UFPA) apontam para um processo inicial de mudanças metabólicas e nutricionais e dos padrões de doenças característicos dessas populações.

O estudo de campo foi conduzido por uma equipe multiprofissional junto a aldeias de povos indígenas da região do rio Xingu, em Altamira, e na Terra Indígena Mãe Maria, em Bom Jesus do Tocantins, no Estado do Pará, entre 2007 e 2014. Participaram do estudo 628 indígenas dos grupos Arara, Araweté, Asurini do Xingu, Parakanã, Xikrin do Bacajá e Gavião Kyikatêjê. “A maioria dos exames para coleta dos dados foi feita na própria aldeia. Coletávamos amostras de sangue, após a autorização dos povos para realização da pesquisa, e a análise era feita ali mesmo, com equipamentos que eram levados pelas equipes. Os resultados eram dados aos indígenas no mesmo dia, junto das orientações e medicamentos para tratamento das doenças”, explica o médico e cientista João Guerreiro, um dos autores do estudo.

Fora do campo, os pesquisadores realizaram apenas as análises genéticas. “As doenças infecciosas ainda são predominantes, mas pudemos perceber o aparecimento das doenças metabólicas crônicas nas etnias analisadas”, explica Guerreiro. A transição pode ser atribuída a predisposições genéticas dos indivíduos e a mudanças na alimentação. “Cada vez mais, observamos a inclusão de alimentos ultraprocessados, ricos em açúcar e gordura, na dieta indígena, se assemelhando à dieta ocidental”, aponta o autor.

Os pesquisadores também constataram que diversos genes descritos como fatores de risco para as doenças metabólicas na população europeia, africana e asiática não podem ser utilizados como referências para populações indígenas. “Observamos que nem sempre é possível utilizar os dados europeus como referenciais para populações indígenas, pois estas possuem suas diferenças biológicas e suscetibilidade para doenças”, explica João Guerreiro. “Os processos de transição epidemiológica diferem entre populações. É provável que existam variações genéticas características da população indígena”, acrescenta o cientista.

A pesquisa, que faz parte de um projeto piloto, auxilia na identificação do perfil genético dos indígenas. O objetivo é possibilitar, no futuro, uma medicina personalizada para essa população. “A partir do nosso trabalho, ao identificarmos os genes da população indígena, podemos estender esses resultados para a população brasileira em geral, visto que é uma população miscigenada, possibilitando, cada vez mais, uma medicina personalizada”, conclui o pesquisador.

DOI: https://doi.org/10.1590/1678-4685-GMB-2021-0153

Termos de uso

Todos os releases sobre as pesquisas nacionais já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que a fonte Agência Bori seja mencionada.

Veja como citar a BORI quando for publicar este artigo:

Fonte: Agência Bori

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 11/5/2022, 23:45 – Atualizado em 27/6/2022, 8:24