28 de março de 2022 Salvar link Foto: Paula Fróes / GOVBA
Medicina e Saúde

Highlights

  • Pesquisa realizou revisão de literatura para apontar impacto da internação por Covid-19 na qualidade de vida dos pacientes
  • Impactos na saúde física e mental, como dor, desconforto, ansiedade e depressão são os mais relatados pelos pacientes
  • A qualidade de vida foi pior entre os internados em UTI, com histórico de comorbidades e entre as mulheres e idosos

Ao revisar trabalhos que consideraram os aspectos físicos, mentais e sociais de pacientes que foram internados por Covid-19, pesquisadores da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), em Minas Gerais, observaram que impacto negativo da internação persiste meses após a alta hospitalar em até 51% dos pacientes — afetando mais mulheres e idosos com comorbidades. O estudo está publicado na edição de segunda (28) da “Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical”.

A revisão de literatura foi feita a partir da busca de informações nas seis principais bases de dados científicos da área (MEDLINE, EMBASE, CINAHL, Web of Science, LILACS e Scopus), considerando estudos sobre qualidade de vida e o bem-estar social do paciente foram afetados após a internação por Covid-19 publicados de 2020 a 2022. Dos mais de três mil artigos encontrados, 24 foram selecionados para análise, já que consideraram os aspectos físicos, mentais e sociais dos pacientes. Um dos dados observados é que os sintomas da Covid-19 geralmente costumam persistir por mais de 30 dias após a alta médica.

“A literatura nos mostra que a qualidade de vida no paciente pós-Covid-19 está comprometida tanto nos aspectos físicos como mentais, principalmente pela presença de dor, desconforto, ansiedade e depressão. Cerca de 15% a 51% dos pacientes hospitalizados apresentaram pior qualidade de vida após meses da alta hospitalar, independentemente da gravidade da doença no momento da admissão”, destaca um dos autores do estudo, Henrique Silveira Costa.

Os estudos mostram que apesar de os homens apresentarem taxas mais altas de gravidade e letalidade da doença, são as mulheres e os idosos que apresentam pior qualidade de vida pós-alta. Os efeitos da chamada Covid longa também são mais presentes entre os que mais necessitaram de ventilação mecânica invasiva e cuidados intensivos. Outros fatores para pior qualidade de vida incluíram a presença e o número de comorbidades, índice de massa corporal elevado, histórico de tabagismo e desemprego.

“Essa pesquisa é relevante para o momento em que a gente está vivendo, pois revela que os fatores clínicos, atrelados ao demográfico e ao de estilo de vida podem estar associados à qualidade de vida do paciente após a hospitalização. Dessa forma é possível desenvolver estratégias individualizadas no manejo clínico do paciente acometido pela Covid-19 com o intuito de melhorar a sua qualidade de vida”, finaliza o professor Costa.

Termos de uso

Todos os releases sobre as pesquisas nacionais já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que a fonte Agência Bori seja mencionada.

Veja como citar a BORI quando for publicar este artigo:

Fonte: Agência Bori

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 28/3/2022, 23:45