30 de julho de 2020 Salvar link Foto: Pesquisadores / Arquivo
Medicina e Saúde

Highlights

  • Metade dos pacientes com esquizofrenia têm resposta limitada a antipsicóticos
  • Estudo quantificou proteínas presentes no sangue de pacientes com esquizofrenia
  • Proteínas podem funcionar como biomarcadores para prever eficácia de medicação de acordo com cada indivíduo

A esquizofrenia é um distúrbio psiquiátrico tratado com o uso de antipsicóticos, que não apresentam resultados satisfatórios para metade dos pacientes. Buscando otimizar esses desfechos, um grupo de pesquisadores do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR) e da Unicamp identificou proteínas que podem, no futuro, funcionar como biomarcadores para a predição de sucesso dos antipsicóticos olanzapina e risperidona, que estão entre os mais usados no tratamento da esquizofrenia. O estudo, financiado pela Fapesp, será publicado em 30/07 na revista “Journal of Proteomics”.

A pesquisa utilizou como método a espectrometria de massas, uma ferramenta analítica capaz de mapear e quantificar milhares de proteínas presentes no sangue. Os pesquisadores analisaram amostras de sangue de 26 pacientes com esquizofrenia sem uso de medicação nas seis semanas anteriores à coleta e após o tratamento de seis semanas com a olanzapina e a risperidona, principais antipsicóticos utilizados no tratamento da esquizofrenia. As amostras foram analisadas conforme o paciente respondia ou não respondia positivamente ao tratamento. Os resultados apontaram que determinados medicamentos podem ter mais chance de sucesso ou de fracasso de acordo com cada indivíduo.

O estudo pode contribuir para a descoberta de biomarcadores que possam predizer se um determinado medicamento vai ser bem sucedido para cada paciente, sugerindo também novas possibilidades para o desenvolvimento de medicações mais efetivas. Além disso, a publicação apresenta elementos inéditos na aproximação entre a pesquisa laboratorial e a aplicação clínica.

Tratamento

Para os pacientes e seus familiares, o estudo pode ser uma esperança para melhores desfechos no tratamento. “A cada surto psicótico, o paciente sofre declínios em suas funções cognitivas, como capacidade de raciocínio e memória, e esses declínios são difíceis de reverter na psiquiatria. Portanto, predizer quais pacientes responderão bem a cada medicamento é uma descoberta que pode melhorar sua qualidade de vida e evitar esses danos. Nosso estudo é um indicador de caminhos para que, no futuro, sejam desenvolvidos testes que possam fazer essa predição”, afirma o pesquisador da Unicamp e IDOR Daniel Martins-de-Souza.

O grupo do Daniel, que trabalha há anos com a identificação de biomarcadores de predição à resposta dos antipsicóticos, está agora trabalhado para transformar estes achados em um teste que possa ser acessível aos pacientes, por indicação de seus psiquiatras. Segundo o pesquisador, o estudo apresenta resultados positivos, mas ainda preliminares em relação aos obstáculos encontrados no tratamento da esquizofrenia e não há como estimar, neste momento, o tempo que esta etapa pode levar.

Termos de uso

Todos os releases sobre as pesquisas nacionais já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que a fonte Agência Bori seja mencionada.

Veja como citar a BORI quando for publicar este artigo:

Fonte: Agência Bori

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 30/7/2020, 22:00