29 de outubro de 2021 Salvar link Foto: Walterson Rosa / Ministério da Saúde
política de saúde

Highlights

  • Pesquisa analisou resiliência do SUS no combate à pandemia de Covid-19
  • Dificuldade de ações conjuntas e coordenadas entre municípios, estados e o governo federal exacerbou a desigualdade no atendimento e na compra de insumos
  • A pandemia evidencia importância de um sistema de saúde público resiliente

O Sistema Único de Saúde no Brasil é referência em atendimento universal à saúde no mundo, mas entrou em colapso durante a pandemia da Covid-19. Pesquisadores da Escola de Administração de Empresas de São Paulo, da Fundação Getulio Vargas (FGV/EAESP), mostram que a falta de coordenação do Ministério da Saúde teve papel determinante neste colapso, ao deixar regiões sem leitos e insumos, como respiradores. A análise está publicada na revista “Cadernos Ebape”, de sexta (29).

A pesquisa analisou a resiliência do SUS e evidenciou a importância de uma rede integrada de atendimento e a necessidade de atenção dos governos sobre a saúde pública. A análise buscou classificar fortalezas, fragilidades e desafios de estrutura e organização do sistema que influenciam na pandemia, utilizando um modelo de análise de resiliência de sistemas de saúde proposto pela Organização Mundial da Saúde (OMS). As áreas analisadas incluem liderança e governança, financiamento, produtos estratégicos para a saúde, força de trabalho, urgência e emergência, saúde digital e informação em saúde e prestação de serviços (ações de saúde pública e vigilância; atenção primária em saúde; atenção especializada e hospitalar).

Segundo os pesquisadores, grande parte das fragilidades apontadas têm relação com a gestão do sistema pelo Ministério da Saúde, além da falta de investimento e prioridade em melhorias. Entre elas, estão a não articulação de compras conjuntas entre estados e municípios para manutenção de estoques de segurança de insumos e EPIs, a alocação da maioria dos leitos em hospitais de pequeno porte que não poderiam atender com o suporte necessário para casos graves de Covid-19 e a falta de um sistema de informação integrado.

Adriano Massuda, co-autor do estudo, explica que a falta de coordenação nacional agravou problemas estruturais do SUS. “O sistema viabilizou a expansão da cobertura de atenção básica, mas a atenção hospitalar permaneceu concentrada em poucos centros urbanos e no setor privado. Além da insuficiência de leitos hospitalares, a frágil integração de redes assistenciais em regiões de saúde gera duplicação de filas e desperdício no uso desses escassos recursos”, analisa o pesquisador.

Durante a crise no sistema com a pandemia, o SUS chegou a ser criticado pela falta de suporte no atendimento. De acordo com os pesquisadores, dispor de um sistema universal como é o SUS deveria ser uma fortaleza para o país enfrentar situações de emergência de saúde pública – como foi resposta em outras situações crise como nas epidemias de H1N1, dengue e zika. Entretanto, a combinação das crises política e econômica, seguidas por políticas de austeridade fiscal tem deteriorado a capacidade de gestão, levando a um aumento de ineficiências e desperdício.

Em conclusão, os especialistas resumem que a pandemia evidenciou a importância de um sistema público de saúde resiliente. “Eles são essenciais não só para a efetivação do direito à saúde, mas também para a manutenção de atividades sociais e econômicas. Num cenário pós-Covid-19, fortalecer o SUS e aprimorar sua gestão devem estar na agenda da saúde e de outros setores da sociedade”, finaliza Massuda.

Termos de uso

Todos os releases sobre as pesquisas nacionais já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que a fonte Agência Bori seja mencionada.

Veja como citar a BORI quando for publicar este artigo:

Fonte: Agência Bori

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 29/10/2021, 23:00