4 de março de 2022 Salvar link Foto: Diana Polekhina / Unsplasg
Saúde

Highlights

  • Em amostra de 1.476 pessoas, 76% apresentaram ranger involuntário dos dentes associados a estresse e nervosismo
  • A alta prevalência de sintomas indica necessidade de ações preventivas e de tratamento para a população
  • É necessário avaliar impacto das ferramentas de intervenção já existentes no contexto pandêmico

Casos de bruxismo associados a fatores psicológicos foram prevalentes nos primeiros meses da pandemia de Covid-19. O início ou agravamento de sintomas como o apertar e ranger involuntário dos dentes foi relatado por 76% dos entrevistados em um estudo com 1.476 pessoas, que constataram maiores níveis de estresse e nervosismo nos primeiros meses de pandemia. A análise é de pesquisadores da Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG) e do Instituto Neurológico de Curitiba (INC), publicado na sexta (4) na revista “Brazilian Journal of Pain” (BrJP).

Os dados foram coletados por meio de um questionário online aplicado entre maio e agosto de 2020, com perguntas sobre informações sociodemográficas, sintomas de bruxismo, qualidade de vida e autocompaixão. Para os pesquisadores, a forte correlação entre emoções negativas e sinais de bruxismo evidencia a necessidade de ações preventivas e de tratamento para os sintomas, que incluem dor de cabeça, mandíbula travada e fadiga muscular.

Com a proposta de avaliar o impacto da pandemia de Covid-19 em aspectos psicológicos e associados ao bruxismo, o estudo revelou a alta prevalência de sintomas físicos em decorrência da piora na saúde mental. “Fizemos a pesquisa esperando um aumento nos sintomas de bruxismo, mas não tantos como apresentou a amostra. As oscilações da pandemia, com novas cepas e o aumento no número de casos ainda impactam a população, e precisamos pensar em como diminuir o risco destas disfunções”, afirma Marcelo Lourenço da Silva, professor da Faculdade de Fisioterapia na Unifal-MG.

O bruxismo pode estar associado a outros distúrbios temporomandibulares, que envolvem músculos, articulações e estruturas faciais diversas. A maioria dos participantes do estudo relatou sons de clique na articulação (85%), dor no ouvido (78%) e fadiga mandibular (64,8%), sintomas que demandam atenção. “O ideal é encaminhar para fisioterapia para o controle de dor e das alterações mecânicas, assim como tratamento psicológico. Essa associação faria com que os sintomas diminuíssem e a população tivesse menor incidência de bruxismo”, diz Silva.

A próxima etapa consiste em avaliar se as intervenções existentes, como técnicas de fisioterapia, acupuntura e eletroestimulação, apresentam resultados concretos no contexto pandêmico. “Temos respostas positivas com estes tratamentos, mas passo seguinte é fazer uma intervenção para avaliar se as ferramentas funcionam neste contexto, em que também estão presentes questões econômicas, de trabalho, de saúde e sociais. Precisamos testar as ferramentas para ver se, mesmo nesta conjuntura, conseguem gerar uma resposta positiva na população”, conclui Silva.

DOI: https://doi.org/10.5935/2595-0118.20220009

Termos de uso

Todos os releases sobre as pesquisas nacionais já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que a fonte Agência Bori seja mencionada.

Veja como citar a BORI quando for publicar este artigo:

Fonte: Agência Bori

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 4/3/2022, 23:45 – Atualizado em 26/6/2022, 18:53