11 de fevereiro de 2020 Salvar link Foto: Paul Brennan / Pixabay
Alimentos
Pesquisa pode orientar melhor a produção de orgânicos

Highlights

  • Preço alto e baixa oferta são fatores que limitam o consumo de alimentos com essa classificação
  • Orgânicos resultam de produção que não permite o uso de agrotóxicos
  • Mulheres tendem a consumir mais produtos orgânicos com propriedades funcionais do que homens

Preço alto, dificuldade de acesso e a baixa oferta de produtos orgânicos em estabelecimentos comerciais são os principais fatores que limitam a expansão do consumo deste tipo de produto no Brasil. Os dados são de uma pesquisa sobre o comportamento de consumidores de alimentos orgânicos e funcionais realizada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em parceria com a Universidade Federal do Alagoas (UFAL), publicada na edição de janeiro de 2020 da revista “Food Science and Technology”.

Caracterizados por serem resultantes de produção que não permite o uso de agrotóxicos que possam ser prejudiciais para a saúde humana e para o meio ambiente, o estudo comportamental apontou também que mulheres tendem a consumir mais orgânicos com propriedades funcionais do que homens, embora ambos reconheçam o benefício que esses produtos trazem à saúde.

O principal interesse da investigação era saber se havia uma correlação entre comportamentos de consumo e gênero entre os compradores. Para isso, foi aplicado um questionário em 1.230 homens e mulheres de todos os estados brasileiros, por meio de e-mails e mídias sociais nos meses de fevereiro e março de 2017. Perguntas como “Com que frequência você consome produtos orgânicos?”, “Por quê você consome esses produtos?” e “Quais produtos você mais consome” estavam no questionário. Os pesquisadores usaram ainda métodos estatísticos para analisar os dados coletados.

Consumo ascendente

As informações sobre o perfil de consumo de produtos orgânicos podem ser úteis para orientar o segmento de produção desses alimentos, no sentido de modificar a sua logística de distribuição para atender mais mercados e estabelecimentos. O estudo também pode servir para orientar o planejamento de políticas públicas de apoio ao mercado de produtos orgânicos, que teve um crescimento de 35% no Brasil, entre 2014 e 2015, segundo dados de pesquisa da Embrapa.

O estudo teve financiamento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Termos de uso

Todos os releases sobre as pesquisas nacionais já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que a fonte Agência Bori seja mencionada.

Veja como citar a BORI quando for publicar este artigo:

Fonte: Agência Bori

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 11/2/2020, 14:30 – Atualizado em 21/2/2021, 13:40