Por Natália Flores e Jhonatan Dias*

Em 2021, a Bori intensificou a disseminação de estudos: fechamos nosso segundo ano de operação com mais de 200 pesquisas antecipadas a jornalistas cadastrados. De áreas do conhecimento estratégicas para o desenvolvimento do país, as cinco pesquisas que tiveram mais repercussão na imprensa nacional e internacional tratam de assuntos “quentes”: a disseminação de doenças infecciosas, o papel da alimentação na saúde de crianças e a perda da capacidade da Amazônia de armazenar carbono.

Os estudos no topo da nossa lista tiveram de 50 a mais de 200 repercussões na imprensa de todo o país. Eles foram reproduzidos por veículos de comunicação com alcance nacional –  Folha de São Paulo, Agência Brasil, Correio Braziliense etc — e de alcance local e regional, como O Vocativo (Amazonas) Alagoas Hoje, Portal Pernambuco, Portal Paraná, Dourados Agora (Mato Grosso do Sul) e outros. Conseguimos, assim, levar informação científica também aos “desertos de notícias”, regiões do interior do Brasil onde existe uma lacuna de veículos de comunicação profissionalizados.

Surfando na onda da Covid-19, a pesquisa com mais repercussão na imprensa nacional digital, divulgada em junho, mostrou que mais de seis entre dez doenças infecciosas têm origem em animais — e que boa parte da sua proliferação depende da ação humana. Ainda que não seja novidade para virologistas e outros cientistas da área, o estudo de pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) alerta para a necessidade de fortalecermos a vigilância epidemiológica de novas doenças que podem emergir nos anos subsequentes à pandemia.

A segunda pesquisa disseminada pela Bori com mais repercussão na imprensa foi sobre o papel de lideranças plurais na transformação de realidades das favelas, de pesquisadores da Escola de Administração de Empresas de São Paulo, da Fundação Getulio Vargas (FGV). Ainda que trate de uma realidade local, a pesquisa foi reproduzida em veículos de comunicação locais de pequenas e médias cidades brasileiras.

A disseminação de estudos com foco em alimentação também fez sucesso em 2021. Dois dos cinco estudos com mais repercussão são desta área. A primeira pesquisa, de autoria de pesquisadores da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), que ocupa a 3ª posição do nosso top5, mostra que oito entre dez crianças atendidas por ambulatório ingerem alimentos açucarados e têm cáries. A segunda pesquisa, na 5ª posição, fruto do trabalho de pesquisadores do outro lado do país, da Universidade Estadual do Ceará (UECE), em parceria com universidades cariocas (UERJ e UFRJ), mostra o papel protetivo da alimentação escolar quando o assunto é doenças crônicas.

Outro assunto que começa a despontar nas disseminações da Bori, reflexo do agravamento da crise climática, são estudos com foco nas mudanças climáticas e na biodiversidade. O 4º estudo com mais repercussão da nossa lista faz parte deste universo e mostrou como o desmatamento da Amazônia impacta, já, a capacidade da floresta de absorver carbono. Disseminado em julho, um mês antes da divulgação do relatório do IPCC, a pesquisa, liderada por uma pesquisadora do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), com instituições como Ipen, Institutos Avançados da USP, UERJ e outras instituições internacionais, publicada na revista Nature, foi assunto de jornais como Estadão, Uol, G1, TV Cultura, CNN, Veja e Isto É.

 

Top 5 da Bori

1º lugarSeis entre dez doenças infecciosas têm origem em animais, mas ação humana facilita sua proliferação (jun/Genetics and Molecular Biology/ UFRGS)

2º lugarLideranças plurais conseguem transformar realidades nas favelas (set/FGV/EAESP)

3º lugarEstudo mostra que oito entre dez crianças atendidas por ambulatório ingerem alimentos açucarados e têm cáries (nov/Revista Gaúcha de Odontologia/UFSM)

4º lugar – Com desmatamento, Amazônia perde sua capacidade de absorver carbono (jul/Nature/Inpe)

5º lugar – Alimentação escolar pode ter papel protetor contra doenças crônicas, mostra estudo (fev/Cadernos de Saúde Pública/UECE, UFRJ, UERJ)

 

Impacto além dos números

 

O impacto do nosso trabalho em 2021 está além das métricas quantitativas de número de repercussão na imprensa nacional e internacional. De forma qualitativa, alguns dos estudos que disseminamos também têm conseguido influenciar nas tomadas de decisão de agentes públicos, como na formulação de leis e políticas públicas. Em 2021, dois exemplos evidentes desse trabalho se referem à disseminação de uma série de estudos conduzidos por pesquisadoras da Escola de Administração de Empresas de São Paulo, da Fundação Getulio Vargas (FGV/EAESP), que chegaram até a Organização dos Estados Americanos (OEA) e a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, embasando inquéritos sobre a atuação do governo federal.

A Bori se preocupa em escolher estudos que tragam esse tipo de impacto, porque entende que a ciência pode contribuir bastante na construção de políticas públicas que melhorem a sociedade brasileira.

 

*Natália é gerente de conteúdo e Jhonatan é estagiário de jornalismo da Bori.