7 de maio de 2021 Salvar link Foto: Rodrigo Kugnharski / Unsplash
Amazônia

Highlights

  • Por toda Amazônia, iniciativas locais promovem ações para sustentabilidade da região
  • Esforços que buscam um modelo sustentável com base no conhecimento local ganharam força nos anos 90 com alianças internacionais e democratização
  • Dar visibilidade e voz às iniciativas locais pode contribuir para uma trajetória mais sustentável para a região

A partir da premissa que iniciativas locais são importantes para uma planejar uma Amazônia sustentável, pesquisadores revisam a literatura acadêmica sobre as transformações dessas iniciativas na região durante os últimos 50 anos. As observações estão em estudo publicado em maio na revista “Current Opinion in Environmental Sustainability”.

O estudo foi feito por pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) em parceria com pesquisadores das universidades de Indiana e do Colorado, nos Estados Unidos, da Universidade de Ciências Agrárias da Suécia, da Universidade de Amsterdã, na Holanda, e da Universidade de Estocolmo, na Suécia.  Eles classificaram as transformações destas cinco décadas ocorridas na região em três diferentes fases: o desenvolvimentismo de fronteira, o socioambientalismo e o mercado e corporativismo verde.

Ao longo dos últimos 50 anos, os modelos de desenvolvimento acabaram atendendo interesses de diversos setores e fomentaram, em maior ou menor grau, o desmatamento, a exploração madeireira, a mineração e invasões de terras indígenas. Ainda assim, o estudo mostra que organizações da sociedade civil conseguiram se estruturar, nos últimos 30 anos, para reagir a estas pressões.

Os chamados “facilitadores” de inclusão e iniciativas locais tiveram um papel primordial nestas reações, ressaltam os pesquisadores. Programas como o movimento da Teologia da Libertação, entre as décadas de 70 e 80, o Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil, entre os anos 1990 e 2000, e um conjunto de políticas socioambientais estruturadas entre 2000 e 2010 consolidaram a ideia de uma Amazônia sustentável.

O estudo busca, justamente, dar visibilidade e voz às populações locais responsáveis por essas iniciativas e ações de sustentabilidade, segundo resume a pesquisadora Célia Futemma, co-autora do artigo. “Expandidas desde 2000, essas iniciativas visam não só melhorar as condições sociais e ambientais de onde essas populações vivem, mas também querem contribuir para uma trajetória mais sustentável para a região amazônica”, destaca Célia, que é bióloga e antropóloga da Unicamp.

Um banco de dados e mapa preliminar das iniciativas mostra que elas estão localizadas em todo tipo de sistema fundiário, incluindo terras comunitárias, privadas, unidades de conservação, terras indígenas e quilombolas e assentamentos rurais. “São milhares de iniciativas individuais e de ação coletiva que estão expandindo sistemas agroflorestais altamente produtivos e rentáveis, criando viveiros de mudas para produção agrícola e para regeneração de áreas degradadas e pastagens improdutivas”, destaca o pesquisador Eduardo Brondizio, da Unicamp e Universidade de Indiana, também co-autor do estudo. Através do corporativismo, essas iniciativas se desenvolvem e procuram agregar valor a produtos locais para conseguir um melhor acesso ao mercado.

O pesquisador Fábio de Castro, da Universidade de Amsterdã, que também contribuiu com o estudo, comenta que essas iniciativas têm grande potencial de contribuir para a sustentabilidade da região, apesar de sofrerem um processo de invisibilidade nos últimos anos. “A narrativa de desenvolvimento regional está mais focada em uma expansão baseada no desmatamento e na mineração e exportação de matérias primas e, neste sentido, dá pouco espaço para iniciativas locais de pequena escala”, afirma. Essas últimas são fundamentais para a produção de alimentos, empregos e melhoria ambiental da região.

 

Covid-19 e a Amazônia

Outro alerta feito pelos autores remete à delicada confluência de crises que vem afetando uma região já marcada pela precariedade e desigualdade. “Temos, ao mesmo tempo, o colapso do sistema de saúde e de setores econômicos, o aumento do desmatamento e incêndios, a violência e invasão de terras indígenas e áreas de conservação”, aponta Brondizio. Em contraponto, o caminho para um futuro mais sustentável e justo, conclui, depende tanto de políticas coordenadas e inclusivas quanto dos sucessos emergentes das iniciativas locais.

Termos de uso

Todos os releases sobre as pesquisas nacionais já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que a fonte Agência Bori seja mencionada.

Veja como citar a BORI quando for publicar este artigo:

Fonte: Agência Bori

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 7/5/2021, 23:00