18 de janeiro de 2024 Foto: Joshua Woronieki / Unsplash

Por Patrícia Eichler-Barker

O aumento do dióxido de carbono e outros gases é responsável pelo aquecimento global, acidificação dos oceanos e extinção de espécies. Neste contexto, a dinâmica de comunidades marinhas pode nos ajudar a explicar como o ecossistema de vulcões evoluiu e se extinguiu no passado. O vulcanismo de 800 mil anos atrás liberou mais dióxido de carbono na atmosfera do que a era mais recente marcada pelas atividades humanas, e as projeções de emissões para o século 21 estão ligadas a esse aumento das emissões.

As atuais emissões de dióxido de carbono são semelhantes às que levaram a extinções em massa e a condições de estresse registradas pelo vulcanismo em algumas regiões do planeta, incluindo o centro-oeste da Índia. Essas emissões passadas conduziram ao rápido aquecimento global e acidificação dos oceanos, o que gerou um habitat instável colonizado por poucas espécies.

Sedimentos com cinzas vulcânicas da Papua Nova Guiné mostram que a diversidade de organismos era baixa no período de atividade vulcânica intensa. Inclusive, a capacidade de alguns invertebrados marinhos de sobreviverem ao aumento de CO2 e acidez nos oceanos auxiliam, hoje, pesquisadores a entender os processos de evolução e extinção de espécies. Neste sentido, eles são nossas “janelas para o futuro”.

A tendência de aumento da temperatura até o ano de 2100 nos levará ao clima mais quente que já existiu na Terra, com as consequências de vivermos num mundo climaticamente bem longe do ideal. A frequência e a intensidade de alguns eventos serão das piores vivenciadas pelo planeta — e já trazem consequências reais para populações vulneráveis.

As cinco extinções observadas com diminuições de biodiversidade mostram que a mudança no padrão ecológico é resposta da comunidade ao clima adverso — e leva todo um ecossistema à extinção. E se tem algo que devemos aprender com essas observações é de como reagir e nos prepararmos para a crise ao invés de repetirmos os mesmos erros.

Isso, porém, é o contrário do que vem sendo feito. Como resultado da ganância da humanidade, as águas dos nossos oceanos estão cada vez mais vazias de vida — efeito do aquecimento climático e da sobrepesca, entre outras atividades humanas. Enquanto isso, estamos nos aproximando de efeitos desastrosos desta sexta extinção com aumento de 4⁰C até 2050 e 9⁰C até 2100. Vale ressaltar que a espécie humana não sobrevive com aumento de mais de 6⁰C.

Com nosso planeta em colapso, à medida que as temperaturas médias aumentam, a frequência de anos quentes e de impactos da perda de habitats tornam-se mais evidentes. Como há um “efeito dominó” na extinção de ecossistemas — e a extinção de uma espécie afeta outras que dependem dela para a sobrevivência –, é urgente parar a destruição de florestas, o comércio de espécies nativas e preservar os oceanos. Podemos superar desafios da perda de biodiversidade e mudanças climáticas alterando nossa trajetória, se identificarmos e remediarmos os problemas num futuro próximo.

Sobre o autor

Patrícia Eichler-Barker é bióloga, oceanógrafa e pesquisadora em Ciências Ambientais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Os artigos de opinião publicados não refletem, necessariamente, a opinião da Agência Bori.

Termos de uso

Todos os artigos de opinião já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que os nomes e instituições dos autores sejam mencionados.

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 18/1/2024, 23:45