3 de julho de 2024 Foto: Bruno Peres / Agência Brasil
Enchentes de maio no RS acenderam alerta para a leptospirose, mas a doença é comum no país. Na foto, rua alagada pela enchente no município de Eldorado do Sul

Por Alexandre Alberto Tonin

As inundações vividas no Rio Grande do Sul em maio levaram a um aumento de casos reportados de leptospirose no estado. Ela é transmitida, em especial, pela exposição direta ou indireta à urina de animais, principalmente roedores, infectados por bactérias do gênero Leptospira. Embora enchentes facilitem a ocorrência de surtos, por propiciar a disseminação e a persistência da bactéria no ambiente, a doença ocorre com frequência no país.

Eventos como as enchentes nos levam a pensar numa conexão entre situação e risco de transmissão, mas a leptospirose é muito mais comum do que se imagina. Segundo dados oficiais do Ministério da Saúde, no Brasil, entre os anos de 2000 e 2023 foi registrada uma média anual de 3650 casos da doença e 350 óbitos, o que dá uma taxa de letalidade média de 9,58%. A título de comparação, no mesmo período, a dengue registrou uma média anual de 448 óbitos, com taxa de letalidade média de 0,6%. Nos casos mais graves de leptospirose, quando os pacientes evoluem para a Síndrome da Angústia Respiratória, as chances de morte podem ser superiores a 40%.

A falta de percepção do quanto a leptospirose é comum é gerada, entre outros fatores, pela dificuldade em diagnosticá-la. Por ter um curso agudo que causa, em sua fase inicial, febre, dores musculares e de cabeça como sintomas mais comuns, a doença pode ser confundida com uma síndrome gripal ou outras viroses, que exigem formas de tratamento completamente diferentes. Por esta razão, recentemente, o Ministério da Saúde emitiu uma nota técnica reforçando estratégias para a suspeita de leptospirose, especialmente durante o período de chuvas.

Outro fator importante é o caráter socioeconômico da doença. No Brasil a leptospirose tem uma incidência média de 1,9 casos por 100 mil habitantes. Porém esse índice aumenta muito em caso de vulnerabilidade social. Um trabalho de 2023 demonstrou que a incidência média foi de 4 casos por 100 mil habitantes em áreas de vulnerabilidade social em algumas regiões do RS. Essas áreas têm acesso precário a bens e serviços básicos, como saúde e informação, e as pessoas que vivem nelas são mais expostas a doenças.

Para diminuir os casos de leptospirose no país, seria preciso fomentar uma série de políticas públicas voltadas a fortalecer serviços públicos, além de medidas sanitárias e educativas. Entre elas, está a melhoria nas condições de saneamento básico (redes de esgoto, coleta e destinação de lixo doméstico) e intensificação nas campanhas de informação sobre a doença, abordando prevenção, sintomas e riscos.

Existem também outros cuidados que podem ser tomados pela população em enchentes, tais como evitar ao máximo o contato com água ou lama e consumir água potável, filtrada, fervida ou clorada. Após a inundação, é preciso desinfectar locais atingidos pela água com solução de hipoclorito de sódio a 2,5%. Por fim, e bastante importante, é preciso sempre usar botas e luvas de borracha nesses processos. Caso não tenha, se pode improvisar com sacos plásticos duplos amarrados nas mãos e nos pés.

Prevenir a leptospirose não é simples, pois ela está ligada à fragilidades socioeconômicas comuns a diversas regiões do país. Diante dessa ‘invisibilidade’, as autoridades de saúde pública e a população precisam se manter alerta não só em situações de enchentes.

 

Sobre o autor

Alexandre Alberto Tonin é professor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e pesquisa temas de medicina veterinária preventiva, com foco em leptospirose

Os artigos de opinião publicados não refletem, necessariamente, a opinião da Agência Bori.

Termos de uso

Todos os artigos de opinião já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que os nomes e instituições dos autores sejam mencionados.

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 3/7/2024, 23:45