21 de fevereiro de 2022
Homem indígena tem corpo pintado com pinhas pretas e está de mãos dadas com criança que usa cocar de penas brancas. Eles estão de costas para a câmera
Fabio Rodrigues Pozzebon / Agência Brasil

Por Carolina Rodríguez Alzza e Hein van der Voort

Na região amazônica, mais de 300 línguas indígenas são faladas hoje. Muitas dessas línguas pertencem a uma das principais famílias linguísticas: Tupi, Arawak, Carib, Macro-Jê, e há mais 21 famílias menores e até 20 línguas isoladas. Mesmo que a região amazônica tenha um número relativamente baixo de línguas quando comparado a algumas outras regiões (por exemplo, Nova Guiné possui mais de 1.000 línguas), em termos de unidades genealógicas sua diversidade linguística é excepcional.

Não se deve esquecer, no entanto, que o número atual de línguas amazônicas é apenas o que resta das mais de 1.000 línguas faladas na época da chegada dos primeiros europeus. Nos últimos cinco séculos, doenças exógenas, violência colonial, escravidão e desapropriação reduziram a população original e, nesse processo, muitas línguas foram extintas.

Até por volta da década de 1950, os governos dos países amazônicos muitas vezes estimularam ativamente a opressão crônica dos povos indígenas e a estigmatização de suas línguas. Embora as populações indígenas da Amazônia tenham aumentado nos últimos 50 anos, a maioria de suas línguas está agora em perigo de extinção e muitas ainda não foram documentadas.

Todas as línguas vivas mudam ao longo do tempo e, portanto, apresentam variação. O surgimento e a extinção das línguas podem ser considerados como um processo natural que sempre existiu. No entanto, desde o início da expansão colonial europeia no século XV, o ciclo foi definitivamente quebrado e muito mais línguas estão se extinguindo do que novas línguas surgem. Isso levou a um declínio dramático da diversidade linguística do mundo.

O que está sendo perdido quando as línguas desaparecem? Uma linguagem é mais do que um sistema justo de troca de informações. Também expressa a identidade social e cultural de indivíduos e grupos, e possui valores emocionais e artísticos. Uma das prováveis consequências de uma ruptura com a herança linguística é a perda do conhecimento histórico, social, cultural e ambiental dos falantes mais antigos. Isso geralmente leva a um fosso entre gerações e é sintomático da desintegração de uma comunidade de falantes. Além disso, a perda da diversidade linguística está interligada com a destruição ambiental e a perda mais ampla da biodiversidade nos microambientes onde as línguas são faladas. Mesmo quando idiomas diferentes são falados em ambientes semelhantes, o conhecimento sobre seus recursos (como usos medicinais) tende a ser fortemente específico do idioma.

O Dia da Língua Materna, celebrado em 21 de fevereiro, deve comemorar as línguas indígenas e a diversidade linguística na Amazônia e reconhecer a centralidade dos falantes que por vários séculos resistiram à opressão e marginalização por falarem uma língua indígena. Além disso, 2022 é o ano de início da Década Internacional das Línguas Indígenas da UNESCO (2022-2032), que é um chamado para abordar a situação crítica das línguas indígenas em todo o mundo. Esta iniciativa visa envolver ativamente os falantes de línguas indígenas como os principais protagonistas na manutenção, proteção e revitalização da língua. Os governos dos países amazônicos, assim como a sociedade em geral, também devem ser conscientizados e informados sobre a diversidade linguística, e devem aprender a respeitar as culturas e línguas indígenas, reconhecer os direitos indígenas, proteger as terras indígenas e desenvolver alternativas econômicas sustentáveis contra a destruição ambiental na Amazônia.

 

Sobre os autores

Carolina Rodríguez Alzza é estudante de doutorado na Universidade de Texas em Austin. Suas pesquisas giram em torno dos aspectos linguísticos e antropológicos na Amazônia indígena.
Hein van der Voort é pesquisador e coordenador da área de Ciências Humanas do Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG/MCTI) e especialista em línguas indígenas amazônicas. Eles são autores do capítulo 12 do Relatório de Avaliação da Amazônia 2021 produzido pelo Painel Científico para a Amazônia.

Sobre o SPA

O Painel Científico para a Amazônia (Science Panel for the Amazon) é uma iniciativa inédita convocada pela Rede de Soluções de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (SDSN) lançada em 2019 e inspirado no Pacto Leticia pela Amazônia. O PCA (https://www.theamazonwewant.org/science-panel-for-the-amazon/) é composto por mais de 200 cientistas e pesquisadores proeminentes dos oito países amazônicos e Guiana Francesa, além de parceiros globais que apresentaram em 2021 um relatório inédito com uma abordagem abrangente, objetiva, transparente, sistemática e rigorosa do estado dos diversos ecossistemas da Amazônia e papel crítico dos Povos Indígenas e Comunidades Locais (IPLCs), pressões atuais e suas implicações para o bem-estar das populações e conservação dos ecossistemas da região e de outras partes do mundo, bem como oportunidades e opções de políticas relevantes para a conservação e desenvolvimento sustentável.

Termos de uso

Todos os artigos de opinião já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que os nomes e instituições dos autores sejam mencionados.

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 21/2/2022, 16:30 – Atualizado em 22/2/2022, 9:20