6 de setembro de 2021 Foto: Dieni Portinanni / Unsplash

Por Coalizão de cientistas e de entidades da sociedade civil

Com o desmatamento ainda em níveis recordes e as queimadas na Amazônia, uma coalizão de ONGs, grupos indígenas, cientistas e acadêmicos brasileiros e estrangeiros está instando o primeiro-ministro no Dia Mundial da Amazônia a agir sobre o desmatamento tropical. Eles enviaram no domingo(5) uma carta ao gabinete do primeiro ministro Boris Johnson dando orientações para fortalecer a política ambiental do Reino Unido com relação à Amazônia. A carta é assinada por cientistas brasileiros da Coalizão Ciência e Sociedade, entre eles, Mercedes Bustamante (UnB).

 

Nota de Mercedes Bustamante

“A carta destaca as conexões entre relações comerciais e cadeias produtivas em várias partes do mundo e o desmatamento ilegal na Amazônia com repercussões negativas e dramáticas para povos indígenas, a estabilidade climática e a conservação da biodiversidade. Há, ainda, a avaliação por parte do Legislativo Federal de vários projetos, que se aprovados e implementados, ampliarão e acelerarão a rota de degradação já em curso da Amazônia. Dessa forma, é fundamental que empresas e governos que têm parcerias comerciais com o Brasil manifestem sua oposição às ações contra o meio ambiente e atuem de forma transparente para eliminar o desmatamento e outras atividades ilegais de suas cadeias produtivas. Espera-se que o governo britânico, como anfitrião da COP26 da Convenção do Clima, seja um porta-voz e um ator importante nessa direção”.

 

Carta aberta na íntegra

Termos de uso

Todos os artigos de opinião já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que os nomes e instituições dos autores sejam mencionados.

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 6/9/2021, 22:00