26 de julho de 2021 Foto: National Cancer Institute / Unsplash

Por Carolina Coutinho, Francisco Inacio Bastos e Elize Massard da Fonseca

No próximo dia 28 de julho comemora-se o dia mundial de luta contra hepatites virais, dentre as quais se destaca a hepatite C, a mais grave e prevalente, conhecida por ser uma doença silenciosa. Por não apresentar sintomas, as pessoas passam anos sem conhecer seu diagnóstico. O Brasil destaca-se pela liderança mundial nas campanhas de testagem e distribuição de tratamento gratuito, que atualmente atinge 95% cura. Entretanto, monitorar a evolução dos resultados dessas ações ainda é um desafio no país.

Os dados epidemiológicos de hepatite C no Brasil não são atualizados de forma satisfatória nos sistemas de informação do Ministério da Saúde (DATASUS). Ainda que seja possível acompanhar anualmente a evolução da doença pelos boletins epidemiológicos tradicionalmente publicados pelo Ministério da Saúde no mês de julho, no restante do ano os gestores locais perdem a capacidade de analisar os indicadores dos seus municípios, regiões de saúde e estados em perspectiva comparada dentro do país. Com isso, não há retorno ágil quanto às ações locais e dificuldades de correção de rumos e aprimoramento dos sistemas locais.

O Tabnet, que compila os casos de hepatite C, não é atualizado desde 2017, enquanto o Painel de Indicadores de Hepatites Virais indica casos (registrados até 2019) e óbitos (até 2020), mas não disponibiliza microdados para análises mais robustas. Mesmo o painel de monitoramento lançado em fevereiro de 2020 não dá acesso a microdados e apresenta informações com algum descompasso temporal, informando a distribuição de medicamentos até abril de 2021 e o número de pessoas tratadas até fevereiro do mesmo ano.

Garantir que os fluxos de informação sejam divulgados o mais imediatamente possível é essencial para auxiliar a tomada de decisão, como ficou claro durante a pandemia de Covid-19 que ainda vivenciamos. A divulgação de dados robustos, quase em tempo real, é crucial não só para subsidiar ações e políticas públicas, mas também para auxiliar a população na tomada de decisão individual.

Felizmente o DATASUS, que tem por principal objetivo estruturar sistemas de informação em saúde e integrar dados, cresceu bastante nos últimos anos, especialmente com o lançamento de programas como o ConecteSUS – aplicativo que registra a trajetória de atendimento do cidadão no SUS. Apesar dos esforços, a falta de profissionais e de treinamento, inadequação dos equipamentos e de acesso à internet nos municípios e nas unidades de saúde, seguem sendo desafios relacionados a dados em saúde do país.

Por isso, é urgente que sejam realizados investimentos em infraestrutura municipal e capacitação de recursos humanos. O caminho de uma possível eliminação ampla das hepatites C passa necessariamente pela soma de um conjunto de ações de eliminação da epidemia em populações específicas, que não poderão funcionar de forma eficiente sem dados atualizados e detalhados em nível local.

Sobre os autores

Carolina Coutinho é epidemiologista, pesquisadora pós-doutora EAESP/FGV, bolsista Fapesp (2020/06990-6) e da Rede de Pesquisa Aplicada da FGV

Francisco Inacio Bastos é epidemiologista, pesquisador titular do ICICT/Fiocruz e investigador principal do projeto Newton Fund Institutional Links

Elize Massard da Fonseca é professora da EAESP/FGV e investigadora principal do projeto Newton Fund Institutional Links

Termos de uso

Todos os artigos de opinião já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que os nomes e instituições dos autores sejam mencionados.

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 26/7/2021, 23:00