28 de novembro de 2023 Foto: CDC / Unsplash

Por Juliana Silva Corrêa

A resistência aos antimicrobianos é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como uma das dez maiores ameaças à saúde global. Um Plano de Ação Global de prevenção e controle foi publicado pela OMS em 2015 para orientar os países signatários a desenvolverem suas agendas.

A resistência aos antimicrobianos ocorre quando bactérias, fungos, parasitas e vírus experimentam alterações genéticas e não respondem mais aos medicamentos utilizados para o tratamento de infecções, como antibióticos, um fenômeno natural que intensifica-se devido ao uso excessivo e inadequado de antimicrobianos. Estimativas recentes demonstram que globalmente a RAM esteve associada a quase 5 milhões de mortes. No Brasil, mais de 33 mil pessoas morreram por infecções resistentes e 137,9 mil óbitos foram associados à resistência aos antimicrobianos.

O combate a resistências aos antimicrobianos envolve ações coordenadas sobre o uso de antimicrobianos,  controle e prevenção de infecções na saúde humana, animal e ambiental. Algumas ações necessárias são: políticas de regulação sobre o uso, descarte adequado de antimicrobianos, investimento em capacitação para monitoramento e vigilância, desenvolvimento e inovação para produção de novos medicamentos e vacinas.

Recentemente, o Brasil produziu o Plano de Ação Nacional de Prevenção e Controle da Resistência aos Antimicrobianos no Âmbito da Saúde Única (PAN-BR),  coordenado pelo Ministério da Saúde (MS) e desenvolvido em parceria com atores como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

No entanto, há inúmeros desafios para o avanço dessa agenda no país, que passou por um período de estagnação durante a transição político-governamental em 2019 quando houve a extinção dos comitês responsáveis pelo tema no MS, MAPA e ANVISA, além da pandemia de Covid-19 em 2020, que mobilizou de recursos e aumentou o uso de antimicrobianos entre a população.

E é urgente que o tema esteja na agenda de gestores, profissionais de saúde, pacientes e sociedade, para tanto, é necessário investir e disponibilizar evidências sobre os impactos clínicos, sociais e econômicos da resistências ao antimicrobianos no contexto nacional, envolvendo a participação social.

Em paralelo, a ação ministerial com envolvimento dos governos estaduais e municipais é essencial para avançar nos debates. Desde a publicação do Plano de Ação Global, o tema é abordado em todas as reuniões na área da saúde no G20. E, a Reunião de Alto Nível da Nações Unidas sobre resistência antimicrobiana é mais uma oportunidade para que o país se aproprie de fato dessa agenda, propondo soluções mais alinhadas ao contexto dos países de baixo e médio desenvolvimento, oferecendo alternativas e soluções para a prevenção de problemas.

 

Sobre esse autor

Juliana Silva Corrêa é pesquisadora em saúde pública na Escola de Administração de Empresas de São Paulo na Fundação Getulio Vargas e pesquisadora associada no Instituto Paulista de Resistência aos Antimicrobianos

Os artigos de opinião publicados não refletem, necessariamente, a opinião da Agência Bori.

Termos de uso

Todos os artigos de opinião já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que os nomes e instituições dos autores sejam mencionados.

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 28/11/2023, 17:32 – Atualizado em 4/12/2023, 11:29