13 de abril de 2021 Salvar link Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil
Comportamento Social

Highlights

  • Carne foi o alimento saudável com maior redução de consumo nos lares brasileiros durante pandemia 
  • Quase 60% dos domicílios brasileiros relataram estar vivendo algum nível de insegurança alimentar em 2020
  • Insegurança alimentar é mais grave em lares chefiados por mulheres, por pessoas de raça ou cor parda ou preta e em áreas rurais

Os lares brasileiros tiveram uma redução drástica no consumo de alimentos saudáveis como carne, frutas, queijos, hortaliças e legumes durante a pandemia de Covid-19. Em lares em situação de insegurança alimentar, que representam quase 60% dos domicílios, a redução do consumo destes alimentos chegou a ser de mais de 85%. É o que indica estudo de pesquisadores da Universidade Livre de Berlim, em parceria com pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais e da Universidade de Brasília, divulgado nesta terça.

A análise foi feita com base em dados de um questionário aplicado a 2004 brasileiros pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados (IBPAD) no período de 21 de novembro a 19 de dezembro de 2020. A amostra é representativa da população brasileira.

Carne, frutas e queijo estão no topo da lista de alimentos saudáveis com redução de consumo durante a pandemia nos domicílios brasileiros: 44% dos domicílios reduziram o consumo de carne, 40,8% reduziram o consumo de frutas e 40,4% reduziram o consumo de queijo. Em seguida vem as hortaliças e legumes, com 36,8% de domicílios reduzindo seu consumo. O ovo foi o alimento que sofreu a menor redução e o maior aumento de consumo: 17,8% dos lares brasileiros diminuíram, enquanto 18,8% aumentaram seu consumo. Este aumento pode estar relacionado à substituição do consumo de carne.

Aumento da insegurança alimentar nos lares brasileiros

A pesquisa também aponta para um quadro grave de insegurança alimentar no país em tempos de pandemia. Os resultados indicam que os moradores de 59,4% dos domicílios brasileiros viveram algum nível de insegurança alimentar entre os meses de agosto e dezembro de 2020, com 15% relatando insegurança alimentar grave – quando a falta ou redução da quantidade de alimentos se estende às crianças do domicílio.

Os resultados da pesquisa confirmam a tendência de aprofundamento da insegurança alimentar no país demonstrada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2017-2018, quando a taxa era de 36,7%. Naquele momento, observou-se a reversão na série histórica medida desde 2004: a insegurança alimentar no país vinha diminuindo de 34,9% em 2004, para 30,2% em 2009, chegando ao nível de 22,6% em 2013.

A pesquisa descobriu ainda que a insegurança alimentar é mais grave em lares chefiados por mulheres (73,8%), por pessoas de raça ou cor parda (67,8%), preta (66,8%), com crianças de até 4 anos (70,6%), mais pobres, com renda per capita de até 500 reais (71,4%), localizados nas regiões Nordeste (73,1%), Norte (67,7%) ou em áreas rurais (75,2%).

De acordo com Marco Antonio Teixeira, co-autor do estudo e pesquisador de pós-doutorado do Instituto de Estudos Latino-Americanos da Universidade Livre de Berlim, “a pauta da insegurança alimentar e da fome voltou ao centro das atenções do debate público nacional nas duas últimas semanas com novos dados de diferentes pesquisas que revelam e reforçam o tamanho do problema que o país precisa enfrentar: milhões de brasileiros e brasileiras que não têm comida na mesa ou que não sabe se terão comida no futuro. Enfrentar a fome e a pandemia da Covid-19 são agora dois desafios urgentes para o Brasil”.

Termos de uso

Todos os releases sobre as pesquisas nacionais já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que a fonte Agência Bori seja mencionada.

Veja como citar a BORI quando for publicar este artigo:

Fonte: Agência Bori

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 13/4/2021, 22:00