8 de junho de 2022 Salvar link
Saúdepipeta sobre tubos de amostras de sangue
Louis Reed / Unsplash

Highlights

  • Estudo em andamento pretende criar um exame simples e rápido para prever a resposta de pacientes a antipsicóticos e contribuir para tratamentos personalizados
  • Os testes iniciais foram realizados com três medicações contra a esquizofrenia, mas pesquisadores pretendem ampliar o estudo para outros fármacos
  • O estudo busca agora transformar os dados obtidos em um produto viável para uso em clínicas e hospitais psiquiátricos

Um novo exame que está sendo desenvolvido na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) pela empresa spin-off Quarium pode facilitar a escolha do tratamento de pacientes com esquizofrenia. A tecnologia em estudo é fruto de uma pesquisa realizada no Laboratório de Neuroproteômica da instituição que identificou no sangue a presença de sinais capazes de antecipar a resposta do organismo a diferentes medicações. Os resultados prometem facilitar a criação de um tratamento personalizado para cada paciente e servirão como base para uma segunda etapa de pesquisas.

A ideia para a criação do teste partiu da análise de 54 amostras obtidas de pacientes diagnosticados com esquizofrenia e tratados com um de três antipsicóticos comumente receitados: olanzapina, risperidona ou quetiapina. Uma das vantagens previstas para o projeto é a possibilidade de fornecer resultados eficazes através de análises simples e rápidas. As amostras poderão ser coletadas através de um exame de sangue comum e devem chegar até o médico responsável em poucas horas. “A ideia é que a resposta do exame saia no mesmo dia para que o psiquiatra possa iniciar a medicação da maneira mais direcionada possível”, explica Daniel Martins-de-Souza, coordenador do estudo na UNICAMP.

A pesquisa surgiu como resposta para um dos principais desafios enfrentados pelos profissionais da saúde após um diagnóstico de esquizofrenia: a escolha da medicação correta para atenuar os sintomas do distúrbio. Esse momento é crucial para o tratamento e recuperação da qualidade de vida do paciente, já que pode determinar inclusive o agravamento do quadro. “O paciente que não melhora ou não tolera os efeitos colaterais de determinado antipsicótico pode ter novos surtos psicóticos e registrar declínio cognitivo irrecuperável”, explica Lícia da Silva Costa, pesquisadora e fundadora da empresa Quarium.

Atualmente, a escolha do tratamento para a esquizofrenia é feita com base na análise clínica do caso em conjunto com um algoritmo clínico clássico. No entanto, uma parcela significativa dos pacientes abandonam o tratamento devido aos efeitos colaterais causados pelos remédios. “Embora esses métodos sejam importantes e colaborem para a escolha da melhor medicação, são generalistas e não consideram as particularidades metabólicas de cada paciente”, salienta Costa. A empresária explica que a resposta do organismo depende de diversas variáveis que costumam ser deixadas de lado com o uso desses métodos, como a alimentação, a idade, a interação com outras medicações e a resistência a dosagens diferentes.

Nesse cenário, o novo exame promete facilitar o desenvolvimento de um programa de tratamento individualizado que considera as condições clínicas e sociais de cada paciente, o que pode reduzir a ocorrência de efeitos colaterais e acelerar a melhora do quadro. Para isso, o teste vai buscar sinais presentes no sangue que indicam as possíveis  reações do organismo aos diferentes fármacos antes mesmo do início do tratamento. “A gente identificou quais são os marcadores e quanto deles deve ter no sangue para que o organismo responda bem àquela medicação. O teste vai procurar especificamente por esses sinais na amostra e, dependendo do resultado, a gente consegue dizer qual o melhor fármaco para aquela pessoa”, diz Daniel Martins-de-Souza.

A tecnologia em desenvolvimento abre precedentes para uma nova era no tratamento da esquizofrenia e de outros distúrbios mentais, já que as pesquisas podem ser usadas para desenvolver testes aplicáveis a diversos transtornos. O estudo segue agora para uma etapa importante que busca transformar os dados coletados em um produto viável para clínicas e hospitais psiquiátricos. Lícia Costa destaca que um dos próximos passos é ampliar o escopo de atuação do exame para outros antipsicóticos, visando otimizar ainda mais o processo de escolha do tratamento.

Termos de uso

Todos os releases sobre as pesquisas nacionais já publicados na área aberta da Bori (e que, portanto, não estão sob embargo) podem ser reproduzidos na íntegra pela imprensa, desde que não sofram alterações de conteúdo e que a fonte Agência Bori seja mencionada.

Veja como citar a BORI quando for publicar este artigo:

Fonte: Agência Bori

Ao usar as informações da Bori você concorda com nossos termos de uso.

Publicado na Bori em 8/6/2022, 10:37 – Atualizado em 8/6/2022, 12:06